Ataque com faca em jardim de infância na China deixa 14 crianças feridas

O ataque ocorreu hoje de manhã no jardim de infância Xinshiji, nos subúrbios do município de Chongqing, quando as crianças regressavam às salas de aula.

Um ataque com faca por uma mulher de 39 anos, num jardim de infância no centro da China, resultou hoje em catorze crianças feridas, informaram as autoridades chinesas, enquanto os motivos do ataque continuam por esclarecer.

O ataque ocorreu hoje de manhã no jardim de infância Xinshiji, nos subúrbios do município de Chongqing, quando as crianças regressavam às salas de aula.

A mulher, identificada pelas autoridades como Liu, já foi detida pela polícia e as crianças estão a receber tratamento hospitalar, detalharam as autoridades.

Imagens difundidas nas redes sociais chinesas mostram as crianças feridas a entrarem para ambulâncias junto à entrada da escola, algumas transportadas em macas.

A China tem registado vários incidentes do género, normalmente ligados a pessoas com problemas psicológicos ou ressentimentos com vizinhos ou a sociedade em geral.

Em junho passado, um homem atacou três rapazes e a mãe destes, com uma faca de cozinha, perto de uma escola em Xangai. Dois dos rapazes morreram. A polícia revelou que o homem estava desempregado e executou o ataque "como vingança contra a sociedade".

No mesmo mês, uma pessoa morreu e dez ficaram feridas quando um homem conduziu uma empilhadora contra peões numa cidade do leste da China, e acabou por ser abatido pela polícia.

Em abril, um homem armado com uma faca matou sete estudantes e feriu 19, quando os jovens regressavam a casa, no norte do país.

A lei chinesa proíbe rigorosamente a venda e posse de armas de fogo, pelo que os ataques são geralmente feitos com facas, explosivos de fabrico artesanal ou por atropelamento.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.