Atacantes forçaram padre a ajoelhar-se antes de o executarem

Hollande disse que os dois atacantes terão dito agir em nome do Estado Islâmico e o ataque já foi reivindicado pela organização

Uma das reféns do ataque desta manhã numa igreja francesa disse que os dois atacantes obrigaram o padre Jacques Hamel a ajoelhar-se antes de o executarem. A freira, identificada apenas como irmã Danielle, descreveu à televisão France 2 que depois da execução os dois homens filmaram-se a falar em árabe.

Danielle foi uma das reféns do ataque desta manha em Saint-Etienne-du-Rouvray, que causou a morte a um padre e deixou outra vítima em estado grave. O sequestro acabou com a morte dos dois atacantes, descritos como terroristas pelo presidente francês François Hollande, que já considerou o crime um "ignóbil atentado terrorista".

Hollande disse ainda que os dois terão dito agir em nome do Estado Islâmico e o ataque já foi reivindicado pela organização.

"Toda a gente gritava 'parem, parem, não sabem o que fazem'. Forçaram-no a ajoelhar-se e obviamente ele quis defender-se", contou a freira, citada pelo jornal The Guardian. Jacques Hamel, de 86 anos, estava há mais de dez naquela paróquia.

Em comunicado, o ministério público de Paris indicou ter atribuído a investigação do caso à subdireção antiterrorista e a direção-geral de segurança interna francesas.

O sequestro ocorreu cerca de duas semanas após o atentado de Nice (sudeste), a 14 de julho, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI), que causou 84 mortos e mais de 350 feridos.

O EI, que perdeu terreno no Iraque e na Síria onde proclamou um califado em 2014, ameaça regularmente Paris com represálias pela participação francesa na coligação militar internacional que intervém nos dois países.

com Lusa

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG