Assembleia Geral da ONU aclama Guterres como novo secretário-geral

Os 193 Estados membros das Nações Unidas nomearam esta quinta-feira António Guterres como sucessor de Ban Ki-moon.

António Guterres assume formalmente o cargo a 1 de janeiro de 2017 e pelo período de cinco anos, mandato que pode ser renovado a partir de 1 de janeiro de 2022.

Na sua intervenção, em inglês e depois francês, António Guterres disse estar perante a Assembleia Geral com "humildade, gratidão e profundo sentido de responsabilidade".

O secretário-geral eleito frisou que "a credibilidade" da ONU é a vencedora do processo transparente da sua eleição e reafirmou que a paridade de género será "uma prioridade" do seu mandato - momento em que foi interrompido por uma salva de palmas da audiência.

Este tópico tinha sido abordado momentos antes pela oradora que o antecedeu, a embaixadora Samantha Power (EUA), ao lembrar que era a única mulher entre os 15 membros do Conselho de Segurança. "Ser mulher não é uma das suas muitas qualidades", adiantou a diplomata a sorrir, adiantando que Guterres tem "a paridade" entre homens e mulheres como um dos seus objetivos.

Guterres assegurou que "a proteção e o empoderamento das mulheres são e continuarão a ser" uma prioridade, dirigindo depois palavras de agradecimento ao ainda secretário-geral, com quem trabalhou enquanto Alto Secretário para os Refugiados (2005-2015).

Mostrando-se "consciente dos desafios que a ONU enfrenta e das limitações" do secretário-geral, António Guterres frisou que "ninguém tem todas as respostas" nem deve querer "impor a sua vontade" aos Estados membros, pelo que será "um mediador, um construtor de pontes e um negociador honesto para encontrar soluções".

Em espanhol, Guterres deixou uma palavra de agradecimento aos capacetes azuis espalhados pelo mundo e fez um apelo aos Estados membros para não deixarem que "comportamentos repugnantes" da parte de alguns dos seus militares possam manchar as Nações Unidas.

Frisando que a diversidade cultural, étnica e religiosa das sociedades atuais deve "juntar e não afastar", António Guterres declarou ser necessário "partir a aliança" entre os terroristas e extremistas, por um lado, e populistas e xenófobos, por outro, que se "reforçam mutuamente".

O secretário-geral eleito foi levado depois pelo chefe do protocolo para uma sala a fim de receber os cumprimentos dos representantes permanentes e de outras figuras presentes na cerimónia.

O presidente da Assembleia Geral da ONU, Peter Thomson (ilhas Fiji), anunciou a escolha por aclamação do português como secretário-geral da ONU, chamando a seguir António Guterres para junto do palco onde a seguir discursou o secretário-geral cessante, Ban Ki-moon.

A sessão, em que participa o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, começou com uma homenagem de condolências ao falecido Rei da Tailândia, em que os representantes permanentes se levantaram e ficaram um minuto em silêncio.

Seguiu-se a leitura pelo presidente em exercício do Conselho de Segurança, embaixador Vitaly Churkin, da resolução em que se recomendava o nome do português António Guterres para o topo da organização, que é agora o secretário-geral eleito da ONU.

Tanto Peter Thomson como Ban Ki-moon realçaram a importância histórica desta eleição, dada a abertura e os princípios de transparência e inclusividade que o marcaram.

Ban Ki-moon enfatizou a "profunda e sólida experiência política" de António Guterres, desde logo como antigo primeiro-ministro.

Em nome dos grupos regionais, para enaltecer o processo de eleição, saudar a escolha de António Guterres, elogiar e agradecer o trabalho e herança que Ban Ki-moon deixa ao fim de 10 anos no cargo, intervieram os embaixadores do Níger (África), do Koweit (Ásia e Pacífico), Geórgia (Europa de Leste), Chile (América Latina e Caraíbas), Reino Unido (Europa Ocidental e outros) e dos EUA (como país que acolhe a sede da ONU).

O diplomata britânico fez mesmo questão de desejar "muitos parabéns" em português a António Guterres, acrescentando que os complexos desafios que o mundo enfrenta exigem "uma ONU forte" e que a Assembleia Geral acabou de nomear "um forte secretário-geral" para lhes responder.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG