Assange avisou que tinha emails para prejudicar Hillary Clinton

Há seis semanas que o fundador do WikiLeaks tinha anunciado que tinha em seu poder material "bom" sobre a candidata democrata à Casa Branca

Julian Assange avisou, há já seis semanas, que tinha "emails sobre Hillary Clinton que aguardavam publicação" no Wikileaks. Segundo o que o fundador do site disse numa entrevista à estação britânica ITV, tratava-se de material "bom" que poderia prejudicar a agora candidata à Casa Branca pelos democratas.

A convenção do partido arrancou sob a sombra da divulgação, durante o fim de semana, de quase 20.000 mensagens eletrónicas trocadas entre janeiro de 2015 e maio de 2016, adquiridos por piratas eletrónicos que alegadamente invadiram as contas de sete líderes do Comité Nacional Democrático. Essas mensagens revelavam que líderes do partido tentaram prejudicar a campanha de Bernie Sanders, concorrente à nomeação para as presidenciais de novembro.

A divulgação dos documentos levou o FBI a abrir uma investigação e à demissão da presidente do Comité Nacional Democrático, Debbie Wasserman Schultz.

A campanha de Clinton, entretanto, está a tentar impor a ideia de que a Rússia esteve por detrás da fuga de mensagens para ajudar à vitória do republicano Donald Trump.

Na entrevista à ITV, há seis semanas, Julian Assange admitia que era um opositor de Hillary Clinton por razões políticas e pessoais, recorda o The New York Times. Questionado diretamente se preferia Donald Trump como presidente, Assange afirmou que o republicano era "completamente imprevísivel" enquanto que em relação a Hillary Clinton era previsível que esta iria exercer o seu poder de duas formas que ele considerava problemáticas, tendo em conta o que fizera no passado, como um entrave à liberdade de imprensa e como apoiante de uma intervenção na Líbia.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.