Assad visita o Irão na sua primeira saída após oito anos de guerra na Síria

Presidente da Síria visitou o Irão na sua primeira viagem oficial desde o início da guerra

Bashar al-Assad fez a sua primeira visita oficial após quase oito anos de guerra na Síria e o destino foi o Irão. A República Islâmica foi um dos seus grandes aliados, a par da Rússia, permitindo-lhe resistir às pressões internacionais e recuperar terreno conquistado pelo Estado Islâmico.

Em imagens divulgadas pela televisão estatal e pelas agências noticiosas internacionais, o presidente da Síria, de 53 anos, surgiu a cumprimentar o presidente iraniano Hassan Rouhani e o ayatollah Ali Khamenei. Segundo as mesmas fontes, os líderes acordaram em "continuar a cooperação a todos os níveis no interesse das duas nações amigas".

A Síria mergulhou num clima de grande instabilidade quando, no contexto da Primavera Árabe, uma revolta eclodiu contra Assad. O regime reprimiu-a de forma violenta e a luta dos seus opositores e críticos foi substituída pela ofensiva do Estado Islâmico, dando ao presidente sírio e às forças leais ao mesmo um pretexto para prosseguir com a repressão.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.