Apoiantes de Trump confiam mais nele do que na família ou amigos

91% dos inquiridos por um estudo divulgado pela CBS News escolheram o presidente americano como sendo a fonte mais credível

Os apoiantes de Donald Trump confiam mais nas informações dadas pelo presidente dos Estados Unidos do que na sua sua família ou amigos. Esse é o resultado de uma sondagem realizada pela estação de televisão americana CBS News junto de duas mil pessoas, que foram questionadas sobre quem procuram para obter informações seguras.

De acordo com este estudo, 91% dos mais fortes seguidores de Trump escolheram o presidente como fonte mais credível, sendo que desses apenas 63% também mencionaram a família e os amigos. Destes inquiridos, apenas 11% mencionaram os principais meios de comunicação americanos.

A confiança dos americanos nos media atingiu o seu ponto mais baixo desde setembro de 2016, dois meses antes da eleição de Trump. Aliás, de acordo com os dados divulgados pela CBS News, desde essa altura o nível de confiança tem-se mantido sempre num nível baixo, algo que até terá explicação no facto de o presidente dos Estados Unidos ter sempre dito para que confiassem nele acima de toda a gente.

Donald Trump continua, entretanto, muito popular entre os Republicanos, recolhendo a aprovação de 87% junto dos inquiridos sobre o seu trabalho na presidência americana, ao passo que a aceitação junto dos Democratas recolhe apenas 8%.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.