Apelos à greve geral e boicote às aulas marcam protestos em Hong Kong

Foi mais um fim de semana violento, com confrontos entre a polícia e manifestantes, que apelam à greve geral e querem boicote às aulas nas próximas duas semanas. Já foram detidas quase 900 pessoas desde junho.

Depois de mais um fim de semana de protestos, detenções e confrontos com entre as forças policiais e os manifestantes do movimento pró-democracia, a polícia antimotim posicionou-se esta segunda-feira em várias estações de metro, depois de os manifestantes terem bloqueado as portas em várias carruagens, causando atrasos significativos em toda a rede.

A imprensa local dá conta de novas detenções.

As autoridades da região administrativa especial chinesa autorizaram duas novas manifestações, no momento em que os estudantes decidiram boicotar o regresso às aulas durante as próximas duas semanas.

Depois de dezenas de detenções no sábado para domingo, no domingo milhares de manifestantes pró-democracia tentaram bloquear o acesso ao aeroporto internacional de Hong Kong, conseguindo mesmo obrigar as autoridades a suspender o comboio que faz a ligação do centro da cidade para aquela infraestrutura aeroportuária.

Cerca de 15 voos acabaram por ser cancelados e muitos dos passageiros forçados a realizar a pé o percurso de vários quilómetros do centro da cidade para o aeroporto.

Os manifestantes estão proibidos, por decisão de um tribunal, de se manifestarem no interior e junto ao aeroporto, um dos mais movimentados no mundo, depois de em meados de agosto terem conseguido que durante dois dias fossem cancelados todos os voos.

No sábado à noite registaram-se mais uma vez violentos confrontos entre a polícia e manifestantes, com as forças de segurança a efetuarem dois disparos de aviso para o ar em Victoria Park.

Um dos episódios mais marcantes aconteceu em Prince Edward, quando dezenas de manifestantes foram perseguidos no interior da estação de metro e posteriormente detidos, com a polícia a usar gás pimenta depois dos jovens terem vandalizado parcialmente aquele espaço.

"A segurança da polícia e da população está seriamente ameaçada pela escalada de violência e pelo uso crescente de armas letais pelos manifestantes", apontou a polícia em comunicado.

No sábado as autoridades registaram mais de 30 feridos, cinco deles em estado grave.

Protestos duram há quase três meses.

Na passada semana, foram detidos proeminentes ativistas e três deputados do parlamento.

A polícia deixou de fazer policiamento a pé pelas ruas para evitar quaisquer emboscadas às forças de segurança. Um ativista foi atacado com tacos de basebol por homens com o rosto tapado. Um polícia foi alvo também de um violento ataque com uma faca à saída de um turno, na sexta-feira.

Em Hong Kong vive-se um impasse político, depois de os manifestantes terem exigido inicialmente a retirada de uma lei que permitiria a extradição de suspeitos de crimes para a China, para depois somarem outras reivindicações, uma delas o sufrágio universal naquela região administrativa especial chinesa.

A chefe do Governo admitiu chamar a si poderes reforçados face à situação de emergência que se vive no território e com a China a estacionar tropas na cidade vizinha, Schenzen.

O movimento pró-democracia definiu cinco reivindicações: a retirada definitiva da lei da extradição, a libertação dos manifestantes detidos, que as ações dos protestos não sejam identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial, a demissão da chefe de governo Carrie Lam e sufrágio universal nas eleições para este cargo e para o Conselho Legislativo, o parlamento de Hong Kong.

A transferência de Hong Kong para a República Popular da China, em 1997, decorreu sob o princípio "um país, dois sistemas", precisamente o que os opositores às alterações da lei da extradição garantem estar agora em causa.

Tal como acontece com Macau, para aquela região administrativa especial da China foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário. O Governo central chinês é responsável pelas relações externas e defesa.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.