Anthony Bourdain foi banido do Azerbaijão

Bourdain foi gravar episódio para o programa "Parts Unknown" em território disputado e a ousadia foi vista como uma ofensa pelo governo azeri

Anthony Bourdain, o 'chef' que se tornou uma celebridade e cujos programas sobre gastronomia em vários países do mundo são apreciados pelos 'foodies' a nível global, foi banido do Azerbaijão, precisamente por causa de um dos formatos que conduz para a televisão americana.

Em causa está o facto de ter viajado, sem autorização do governo azeri, para Nagorno-Karabakh, para gravar um episódio do programa Parts Unknown, que é emitido na CNN.

Nagorno-Karabakh é um enclave entre o Azerbaijão e a Arménia cujo território é disputado pelos dois países desde 1988. Situado geograficamente no território do Azerbaijão - que periodicamente ameaça retomar à força o controlo da região -, o Nagorno-Karabakh é desde 1994 controlado por separatistas arménios, com o apoio da Rússia e do governo de Erevan.

A guerra do Nagorno-Karabakh foi travada entre os anos de 1988 e 1994 e estima-se que no conflito tenham morrido entre 20 mil e 30 mil pessoas. Essa explosão de violência entre arménios e azeris - à época duas repúblicas integradas na União Soviética - deu-se quando o parlamento da região autónoma do Nagorno-Karabakh votou favoravelmente à integração na Arménia.

Os combates intensificaram-se ainda mais em 1991 com a desintegração da URSS e a declaração unilateral de independência feita pela região. A autoproclamada República do Nagorno-Karabakh é reconhecida oficialmente apenas pela Abecásia, Ossétia do Sul e Transnístria, três regiões não reconhecidas pela ONU enquanto estados independentes nas quais também subsistem conflitos congelados.

Segundo o The Washington Post, Bourdain foi considerado 'persona non grata' por desrespeitar a "integridade territorial e a soberania" do Azerbaijão, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros azeri, Hikmet Hajiyev, citado pela AFP. "Filmar um programa sobre gastronomia no território ocupado do Azerbaijão é um insulto para um milhão de refugiados azeris que foram forçados a sair de suas casas", acrescentou.

Segundo Hikmat Hajiyev, o governo do Azerbaijão acredita que é perigoso viajar para Nagorno-Karabakh e que os responsáveis arménios usam as visitas de estrangeiros para reforçar a legitimidade na região.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG