Annabella Sciorra contou em tribunal como Weinstein a violou há 25 anos

A atriz, conhecida pelo seu papel na série "Sopranos", foi a primeira a declarar em tribunal no julgamento do antigo produtor de Hollywood. E deixou um testemunho emocionado

Annabella Sciorra, de 59 anos, testemunhou esta quinta-feira durante o segundo dia do julgamento de Harvey Weinstein. Num testemunho emocionado, a atriz da série "Sopranos", contou como o antigo produtor de Hollywood, invadiu o seu apartamento há 25 anos e a violou.

O crime terá acontecido na casa de Sciorra em Manhattan no inverno de 1993-1994. A atriz só falou pela primeira vez sobre a violação na revista New Yorker, em outubro de 2017, quando várias mulheres decidiram expor aquilo que passaram às mãos de Weinstein. Mais de 80 mulheres denunciaram o produtor por assédio, agressão sexual ou violação desde o primeiro artigo na revista e a onda de revelações ganhou fama nas redes sociais com a hashtag #metoo.

O Ministério Público acusa o antigo magnata do cinema de Hollywood de ter violado e agredido sexualmente jovens atrizes, incluindo Sciorra, ao longo de décadas. Wienstein nega todas as acusações e diz que as relações foram consensuais.

Harvey Weinstein, de 67 anos, não está a ser julgado pela alegada violação de Annabella Sciorra, uma vez que o crime já prescreveu, mas o Ministério Público espera que o seu depoimento demonstre que o antigo produtor era um predador sexual.

Se for considerado culpado pelos crimes dos quais é acusado - e responde apenas por dois, estando a ser acusado de praticar sexo oral com a ex-assistente de produção Mimi Hailey contra a sua vontade em 2006 e de violar a atriz Jessica Mann em 2013 - poderá ser condenado a prisão perpétua.

De acordo com a CNN, que está a acompanhar o julgamento do antigo produtor, Sciorra conheceu Weinstein no início dos anos 90 e acabaria por fazer parte do grupo da produtora Miramax, participando em eventos e jantares em Nova Iorque.

No inverno de 1993-1994, segundo o seu testemunho em tribunal, depois de jantar num restaurante irlandês em Manhattan, Weinstein ofereceu-lhe uma boleia até casa, um apartamento em Gramercy Park, Manhantan.

Violação deixou-a deprimida e com pensamentos suicidas

Depois de ter vestido uma camisa de noite e já preparada para dormir, alguém bateu à porta e quando abriu viu que era Weinstein. Este terá forçado a entrada e começado a desabotoar a camisa da atriz. Segundo o testemunho de Sciorra, o então produtor segurou-lhe no braço e arrastou-a para a cama. A seguir, violou-a.

"Foi tão desagradável que o meu corpo começou a tremer de uma maneira pouco comum. Eu nem sabia o que estava acontecer", disse, em tribunal. Depois de a violar, Weinstein terá dito: "Isto é para ti" e praticado sexo oral com a atriz contra a sua vontade.

Sciorra disse que a violação a deixou traumatizada e com depressão. Por causa do ataque, terá começado a beber e a ter pensamentos suicidas.

No seu testemunho, a atriz contou que Harvey Weinstein tentou entrar novamente num quarto de hotel onde estava hospedada, em Londres, mas que dessa vez não o deixou entrar. Em 1997, durante o Festival de Cannes, nova tentativa - o então produtor bateu à porta, também do quarto de hotel da atriz, vestido apenas com um robe e com uma garrafa de óleo para bebé nas mãos. Pediu ajuda e Weinstein acabou por se ir embora.

A defesa de Harvey Weinstein tentou desmontar a versão da atriz e indicou que em 2017 a atriz chegou a enviar uma mensagem de um funcionário do produtor a dizer que esperava que aquele lhe arranjasse um trabalho porque estava "falida".

Nas declarações iniciais do julgamento, uma das advogadas de defesa disse também que uma amiga de Sciorra irá testemunhar que a atriz descreveu a relação com Weinstein como "sexo consensual".

Pelo menos 100 mulheres acusaram publicamente Weinstein de abuso sexual, mas a grande maioria não fará parte do julgamento. Os jurados do tribunal estadual de Nova Iorque ouvirão apenas seis delas: Jessica Mann , Mimi Haleyi, Dawn Dunning, Tarale Wulff, Lauren Young e Annabella Sciorra, que foi então a primeira a deixar o seu testemunho.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG