Angela Merkel visita Arábia Saudita para falar de cooperação e do G20

A chanceler alemã, Angela Merkel, está hoje na Arábia Saudita para uma visita destinada a abordar as relações bilaterais e a próxima cimeira do G20, em julho, em Hamburgo, indicaram fontes alemãs.

Pouco depois da chegada, Merkel foi recebida no palácio de Jeddah pelo rei Salman e pelos seus principais colaboradores, indicou a agência oficial saudita SPA.

Na presença da chanceler foram assinados seis acordos, três envolvendo o setor privado e três entre os dois governos.

Temas como o clima e a energia, que estarão na agenda da cimeira do G20, devem ser abordados nas conversações com as autoridades sauditas, segundo fonte governamental alemã citada pela AFP.

As relações entre os países do Conselho de Cooperação do Golfo - sendo a Arábia saudita um membro dominante deste - e o rival iraniano devem também ser discutidas.

"Sem subestimar a influência negativa do Irão na região, a chanceler deve defender moderação entre estes países e o Irão", disse o mesmo responsável.

A pena de morte e a questão dos direitos humanos "serão certamente abordados pela chanceler nas negociações", acrescentou a mesma fonte.

Merkel, acompanhada por uma delegação de grandes empresários alemães, deverá também abordar as relações económicas bilaterais, segundo um comunicado da embaixada alemã em Riade.

Na segunda-feira, Merkel visita os Emirados Árabes Unidos, onde os investimentos alemães são da ordem dos 2,4 mil milhões de euros.

Nos dois países, a chanceler alemã deverá também falar da Síria, segundo a mesma fonte, acrescentando que Berlim considera que "todos os países podem fazer mais" no que diz respeito ao acolhimento de refugiados.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.