Angela Merkel afirma papel da imprensa durante a pandemia

A chanceler alemã, Angela Merkel, sublinhou este sábado o valor da imprensa crítica contra os totalitarismos, especialmente neste tempo marcado pela pandemia de covid-19, e a necessidade de discernir entre informações verdadeiras e "mentiras".

"Os jornalistas devem poder confrontar um Governo e todos os atores políticos com uma perspetiva crítica", disse Merkel na sua mensagem semanal aos seus compatriotas, dedicada ao 75º aniversário da imprensa livre que surgiu após a queda do nazismo.

A democracia precisa de "factos e informações" capazes de discernir entre "verdade e mentira" e, ao mesmo tempo, projetar "diferentes perspetivas sobre a realidade e a diversidade de opiniões", estimou.

Merkel recordou na sua mensagem o aparecimento dos primeiros expoentes da imprensa livre "sob a liderança dos Aliados" depois da capitulação do Terceiro Reich em 8 de maio de 1945.

A líder alemã disse que para certos setores, os média dão uma opinião tendenciosa sobre a realidade. "Não vejo assim, muito pelo contrário", disse Merkel

"Todos os dias aprendemos algo, especialmente da ciência, que nos fornece novos conhecimentos. É absolutamente importante entendê-los e, para isso, temos a oferta dos media, tanto público quanto privado, analógico e digital", acrescentou.

Merkel concluiu a sua mensagem recordando a situação sob regimes autoritários e lamentou os "ataques que os jornalistas também sofrem em nossa sociedade democrática".

Nas últimas semanas, houve ataques sucessivos contra equipas da televisão pública alemã e outros profissionais dos media em protestos de diferentes vertentes contra as restrições impostas para interromper a pandemia de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Este sábado, foram anunciadas marchas contra medidas governamentais em várias cidades alemãs, de Berlim a Munique, Hamburgo e Estugarda.

Concentrações de mais de 50 pessoas não são permitidas na capital, mas em Estugarda o limite é de 5 000 participantes.

Nessas marchas observa-se uma presença crescente de grupos de extrema-direita, misturados com defensores das teorias da conspiração, extremistas de esquerda ou cidadãos que são contra as restrições por diferentes razões, inclusive económicas.

Na Alemanha, a norma do distanciamento físico e social foi imposta contra a pandemia, mas as saídas a dois, assim como o desporto ao ar livre, continuaram a ser permitidos.

Nas últimas semanas, as lojas e as atividades escolares foram reabertas gradualmente, os controlos nas fronteiras foram reduzidos e o turismo interno e a hotelaria começaram a ser ativados.

A Alemanha ocupa a oitava posição no mundo em termos de infeções, depois dos EUA, Rússia, Reino Unido, Espanha, Itália, França e Brasil.

Até ao momento, o Instituto Robert Koch (RKI) verificou 173 772 infeções, das quais 152 600 são pacientes recuperados, enquanto o número de mortes subiu para 7 881.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG