Aldeia de 12 habitantes abre votação. Todos os cinco eleitores escolheram Biden

A aldeia perdida nas florestas de New Hampshire, perto da fronteira com o Canadá, manteve uma tradição estabelecida desde 1960, que lhe valeu o título de "Primeira da Nação".

Os cinco eleitores de Dixville Notch, aldeia de 12 habitantes no nordeste dos Estados Unidos, lançaram simbolicamente a eleição presidencial à meia-noite (05.00 em Lisboa), votando por unanimidade no democrata Joe Biden.

A aldeia perdida nas florestas de New Hampshire, perto da fronteira com o Canadá, manteve uma tradição estabelecida desde 1960, que lhe valeu o título de "Primeira da Nação".

Além da aldeia vizinha de Millsfield, que também votou durante a noite, a maioria das assembleias de voto na costa leste será aberta às 06.00 ou às 07.00 (10.00 ou 11.00 em Lisboa).

Uma terceira aldeia da região, que seguia a mesma tradição, cancelou inesperadamente a votação por causa da pandemia do novo coronavírus.

A votação durou apenas alguns minutos, assim como a contagem e o anúncio dos resultados: cinco votos para Biden, nenhum para o presidente e recandidato republicano, Donald Trump.

Antes, Les Otten, "um eleitor republicano de longa data", tinha dito que votaria no democrata Joe Biden.

"Não concordo com ele em muitas coisas, mas acho que é hora de descobrir o que nos une, não o que nos divide", explicou numa mensagem publicada na rede social Twitter da aldeia.

As leis eleitorais desse pequeno estado do nordeste permitem que municípios com menos de cem habitantes abram as secções eleitorais à meia-noite e as encerrem assim que todas as pessoas inscritas nos cadernos eleitorais tenham cumprido o dever cívico.

Mas ser a primeira não faz de Dixville Notch um oráculo: em 2016, a candidata democrata Hillary Clinton derrotou Donald Trump, que acabou por vencer a corrida para a Casa Branca.

As sondagens mais recentes dão uma confortável vitória a Joe Biden, com cerca de dez pontos de vantagem no voto popular nacional, mas na análise aos resultados dos estados considerados essenciais para determinar uma vitória (como é o caso de Pensilvânia, Florida, Wisconsin, Michigan e Texas) as diferenças de intenção de voto são mais próximas (em alguns casos caem na margem de erro), pelo que o desfecho é ainda imprevisível.

Para além de Biden e Trump, na maioria dos estados, aparecem ainda no boletim de voto os nomes de Jo Jorgensen, pelo Partido Libertário, e de Howie Hawkins, do Partido Verde, e ainda um leque de candidatos de pequenas organizações cívicas, que apenas concorrem em alguns círculos.

O elevado número de votos antecipados (presenciais e por correspondência) pode atrasar a contagem dos votos, especialmente depois de o Supremo Tribunal ter permitido a aceitação de boletins até sexta-feira, em alguns estados, fazendo que o vencedor oficial apenas possa vir a ser conhecido dentro de alguns dias ou semanas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG