Ajuda humanitária "vem contaminada e envenenada", garante vice-presidente da Venezuela

Delcy Rodríguez, número dois do governo de Nicolás Maduro, fez a acusação num discurso transmitido em direto pela televisão estatal venezuelana VTV

A ajuda humanitária que chega à Venezuela deve ser vista como "armas biológicas" que contêm produtos químicos para envenenar a população do país, acusou a vice-presidente de Nicolás Maduro. Num discurso transmitido em direto pela televisão estatal VTV, Delzy Rodríguez garantiu que a comida que está a entrar no país "vem contaminada e envenenada, é cancerígena".

A vice-presidente baseou as suas acusações em documentos que exibiu perante as câmaras. Delcy Rodríguez garantiu que estudos científicos encontraram contaminação em produtos enviados pelos EUA.

O discurso da vice de Maduro coincidiu com um do auto-proclamado presidente Juan Guaidó. Este anunciou que a ajuda humanitária será entregue a 23 de fevereiro. A ajuda humanitária está acumulada em Cúcuta, na Colômbia.

A resposta da oposição não se fez esperar. A deputada Gaby Arellano, do partido Voluntad Popular, garantiu: "A ditadura surpreende-nos todos os dias, mas já estão a cair no delírio. Dizer que a comida que trazemos tem inoculado cancro ou células cancerígenas raia a loucura".

Crise política e social

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados das Nações Unidas.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.