Agora são os romenos em fúria com o Charlie Hebdo

Uma caricatura da tenista Simona Halep desencadeou uma reação tão acalorada dos romenos que a embaixada francesa se viu na contingência de emitir um comunicado

Três anos e meio depois de meio mundo ter proclamado "Je suis Charlie" há quem não tenha compreendido o que é o Charlie Hebdo. O semanário satírico, caracterizado por não fazer concessões nem alinhar no politicamente correto, continua a colecionar ódios. À lista de judeus, muçulmanos, católicos ou nacionalistas irritados com o humor insolente juntam-se os romenos.

No mais recente número do Charlie Hebdo a capa é dedicada ao campeonato do mundo de futebol, com um cartoon de um ameaçador Vladimir Putin, no topo de um tanque, a ameaçar um guarda-redes.

A controvérsia estalou, porém, com o cartoon à número um do ténis mundial, Simona Halep. À legenda "Uma romena venceu Roland Garros", a vencedora brande a taça conquistada no dia 9 e exclama "Ferro-velho! Ferro-velho!". Uma alusão aos ciganos que percorrem França à cata de sucata.

O desenho, assinado por Felix, recebeu centenas de protestos na página do Facebook da publicação humorística. Vários meios de comunicação romenos criticaram o conteúdo, apelidado de "racista".

"Ofende os ciganos, os romenos e Simona Halep", disse o comentador Cristian Tudor Popescu no canal Digi24. A associação dos romenos à minoria cigana é um tema particularmente sensível no país balcânico.

Nem todos os romenos reagiram de forma temperamental. O periódico humorístico ​​​​​​​Times New Roman reportou que na última edição do Charlie Hebdo "publicaram uma caricatura que retrata a mulher do presidente francês, Brigitte Macron, depois de ter roubado o troféu a Simona Halep".

A embaixada francesa em Bucareste emitiu hoje um comunicado no qual recorda que "esta publicação só vincula o seu autor e não representa o sentimento da opinião pública francesa". A embaixadora Michèle Ramis sublinhou também que "a liberdade de expressão e a liberdade de imprensa são princípios fundamentais da república francesa".

A anterior onda de indignação internacional contra o Charlie Hebdo deu-se após o furacão Harvey: na capa, sob o título "Deus existe!", um cartoon com bandeiras nazis e mãos a submergir, e para que não restem dúvidas: "Ele afogou todos os neonazis do Texas!".

Em agosto de 2017 o furacão causou 37 mortos e obrigou milhares de pessoas a procurarem refúgio.

Em janeiro de 2015 dois terroristas entraram na redação do Charlie Hebdo e mataram 12 pessoas. Em 2011, na sequência a publicação de caricaturas de Maomé, a anterior sede foi destruída por um ataque à bomba.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.