Agenda de herdeiro saudita nos EUA confirma mudanças no reino

Mohammad bin Salman via estar cerca de três semanas nos EUA e visitará Wall Street e Sillicon Valley, entre outros lugares. No encontro com Trump na Casa Branca, prometeu fortes investimentos na economia americana.

O presidente Donald Trump pode ter elogiado a amizade entre os Estados Unidos e a Arábia Saudita, garantido que a relação bilateral "só vai melhorar", ter mostrado cartazes com números - impressionantes - das compras de armamento de Riade a empresas americanas e o modo como isto gera criação de emprego nos EUA. Pode ter discutido a concretização de um acordo para o fornecimento de tecnologia nuclear aos sauditas e analisada os pontos de tensão internacionais, da guerra na Síria ao conflito no Iémen e a transferência da representação diplomática americana de Telavive para Jerusalém; se tudo isto é importante, não esgota a dimensão da agenda que o príncipe herdeiro Mohammad bin Salman trouxe aos EUA.

Se a dimensão das compras de armamento foi de 200 mil milhões de dólares (163 mil milhões de euros) em contratos assinados em 2017, com a geração respetiva de 40 mil postos de trabalho nos EUA, segundo Trump, a duração da viagem do dirigente saudita, cerca de três semanas, e a sua extensão mostra tudo o resto que está em questão. Bin Salman vai atravessar os EUA de Leste a Oeste e, além de Washington, vai estar em Sillicon Valley, Seattle, Houston, Boston e Nova Iorque, onde se deslocará a Wall Street.

O destino destas deslocações ilustra estar em jogo muito mais do que a tradicional dimensão de coincidência geoestratégica entre Washington e Riade, com exceção do período em que Barack Obama esteve na Casa Branca. E o que está em jogo é o processo de reformas profundas que Bin Salman, de 32 anos e também conhecido pelas iniciais do nome (MbS), iniciou desde que foi designado príncipe herdeiro em junho de 2017 por seu pai, o rei Salman. É, aliás, esta primeira deslocação de MbS aos EUA na qualidade de príncipe herdeiro.

O processo de reformas está enquadrado no documento Visão 2030 e que contempla mudanças estratégicas na economia e na sociedade sauditas. No plano económico, um desígnio central é libertar o país da dependência da renda petrolífera, enquanto no plano social se procura pôr fim a anacronismos como a interdição de conduzir para as mulheres, preparando a Arábia Saudita para o futuro.

Os encontros previstos mostram-no. Além de Sillicon Valley, MbS estará em Boston para conversações sobre cooperação ao nível de universidades e terá contactos com responsáveis da Apple e Amazon. O objetivo é tornar o reino uma sociedade baseada na tecnologia, com alguns observadores a referirem a ambição da Arábia Saudita puder ser a "Sillicon Valley do Médio Oriente", além de principal centro financeiro na região.

Outra ambição de MbS é criar condições para o aumento de investimentos bilaterais dos EUA na Arábia Saudita e deste país em território americano. Para mostrar a importância do tema, MbS referiu-se a ela, falando em inglês e apontou o valor de 400 mil milhões de dólares a serem investidos pelos sauditas nos EUA num período de dez anos.

Acordo nuclear

Um dos mais importantes resultados da viagem e do encontro com o presidente Trump será a concretização de um acordo para a construção de duas centrais nucleares, a iniciar no final deste ano, e que representará contratos na ordem dos milhares de milhões de dólares para empresas americanas.

Com este projeto, a Arábia Saudita entra no clube dos poderes nucleares e se a finalidade é o uso pacífico, fica também aberto caminho para o domínio do vetor militar. Numa recente entrevista, MbS disse explicitamente que se "o Irão se dotar da arma nuclear, a Arábia Saudita fará o mesmo".

Se a hipótese da Arábia Saudita construir reatores nucleares não é nova, ganhou nova dinâmica após a assinatura do acordo sobre o nuclear iraniano em 2015 e por aquilo que Riade considerou um distanciamento de Barack Obama face aos interesses sauditas.

Neste ponto, a presença do príncipe herdeiro saudita nos EUA transmite também uma importante mensagem. Mostra que existe, de novo, uma sintonia generalizada entre Washington e Riade, apesar de permanecerem alguns pontos de tensão, nomeadamente naquilo que, durante o encontro na Casa Branca, Trump classificou como a "tolerância zero no financiamento ao terrorismo" por parte dos EUA. A Arábia Saudita, direta ou indiretamente, apoia movimentos considerados terroristas pelos países ocidentais.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?