"Hipocrisia", "complacência". Freira nigeriana denuncia situação da Igreja

Falando no Vaticano, na conferência promovida pelo papa Francisco sobre os abusos sexuais cometidos por clérigos católicos, a irmã Veronica Openibo denunciou a situação que vive a Igreja Católica

A freira nigeriana Veronica Openibo acusou a Igreja de ter ficado em silêncio perante os abusos sexuais por parte de padres e bispos da Igreja católica ao longo das últimas décadas.

Falando na conferência promovida no Vaticano pelo papa Francisco sobre o problema, a religiosa não poupou palavras e falou de "crise", de "vergonha" e de "desgraça".

"Proclamamos os Dez Mandamentos e apresentamo-nos como detentores dos padrões morais, dos valores e do bom comportamento em sociedade. Tempos hipócritas? Sim, porque nos mantivemos em silêncio durante tanto tempo", disse Veronica Openibo perante a audiência, citada no The Guardian.

Como pôde a Igreja manter o silêncio e encobrir estas atrocidades? A nossa credibilidade está em causa

A freira nigeriana, que trabalhou no seu país, mas também na Europa e nos Estados Unidos, afirmou perante a assembleia de bispos e cardeais que "o silêncio, o longo segredo sobre os abusos e a transferência de lugar dos abusadores", que serviu para manter o estado de coisas e a impunidade, "são inimagináveis".

"Como pôde a Igreja manter o silêncio e encobrir estas atrocidades?", acusou a religiosa, sublinhando que "esta tempestade não vai passar". "A nossa credibilidade está em causa", disse ainda.

A conferência que está a decorrer no Vaticano, promovida pelo papa Francisco, começou na última quinta-feira e termina este domingo. O encerramento será feito pelo próprio papa, que falará à audiência.

Para os 190 bispos e cardeais que participam, e para o próprio papa, têm sido dias duros, com a audição de testemunhos de vítimas e de religiosos desencantados com o silêncio e o encobrimento dos abusos pela hierarquia da Igreja durante as últimas décadas, como é o caso de Veronica Openibo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG