A NRA pediu para se afastarem e os médicos norte-americanos invadiram o Twitter

Mostram blocos operatórios e fardas manchadas de sangue, contando as suas histórias. #ThisIsOurLane tem sido o grito de guerra de milhares de profissionais de saúde dos EUA na rede social, depois de a Associação Nacional de Armas ter pedido aos médicos que se silenciassem sobre o controlo de armas de fogo.

"Alguém deveria dizer aos médicos anti-armas que se acham importantes para se manterem no lugar deles". Assim tuitou a Associação Nacional de Armas (NRA) norte-americana, na passada quarta-feira, depois de tomar conhecimento que metade dos artigos publicados na revista médica académica Annals of Internal Medicine iam contra a sua ideologia, apelando ao controlo de armas de fogo no país. A publicação gerou revolta e a resposta foi rápida e viral. Através do Twitter, vários médicos dos EUA decidiram responder à organização, contando as suas experiências no local de trabalho, e a hashtag #ThisIsOurLane ("este é o nosso lugar") nasceu.

Histórias pessoais e fotografias de blocos operatórios salpicados de sangue encheram as redes sociais. Em entrevista à BBC, Dave Morris, médico norte-americano, e uma das vozes que se manifestaram contra o grupo NRA, disse que era necessário que as pessoas vissem a realidade que esta classe profissional vive diariamente, para que não se fique "preso nos velhos argumentos filosóficos sobre a violência com armas".

Na sua conta de Twitter, o cirurgião do Intermountain Medical Center partilhou uma fotografia onde mostra o seu uniforme profissional manchado de sangue, acompanhado da declaração "isto é o que significa ficar no meu lugar".

Vários profissionais juntaram-se contra o discurso da organização que apoia o livre-trânsito de armas nos EUA e o movimento ganhou até uma página oficial.

A partilha rapidamente abriu um debate sobre a violência com armas nos EUA, país onde estas são responsáveis pela entrada de cerca de 8300 jovens no hospital, todos os anos. O número de mortes por armas na América é maior do que no Médio Oriente, com os óbitos por conflitos armados descartados das estatísticas. Mas há quem não hesite em comparar: "estamos a viver numa zona de guerra".

Dave Morris explica que os profissionais de saúde não são anti-armas ou anti-NRA, mas sim "anti-violência". "A violência é o problema real, as armas são simplesmente um vetor", remata. O cirurgião apela ainda ao estudo do panorama nacional e à aplicação de "uma metodologia científica sólida para melhorar as coisas".

O tweet da NRA gerou reações políticas, nomeadamente dentro do Partido Democrata. O político e advogado Sheldon Whitehouse partilhou uma opinião sobre o tema na sua conta de Twitter, onde critica "a lata" do grupo pro-armas em ter assumido que os médicos não devem ter uma palavra a dizer neste assunto.

A publicação da NRA chegaria horas antes de um atirador ter morto 12 pessoas num bar na Califórnia. Em fevereiro deste ano, durante uma conferência de cariz conservador nos EUA, o líder da Associação Nacional de Armas, Wayne LaPierre, disse que o direito às armas "é garantido por Deus a todos os americanos como direito de nascença".

Sobre a sugestão apontada pelo presidente dos EUA, Donald Trump, de armar os professores para responderem a possíveis conflitos dentro da escola, LaPierre afirmou que as "escolas têm de ser endurecidas e o mal deve ser confrontado com toda a força necessária para proteger as crianças".

De acordo com a BBC, durante anos a NRA tentou silenciar investigações públicas sobre a violência armada, nomeadamente nos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC), que tem procurado estudar o assunto.

O controlo de armas tem sido um dos temas mais debatidos desde que Donald Trump chegou à Casa Branca.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.