Trump bebeu água com as duas mãos e a Internet não perdoou

O Presidente norte-americano fez uma pausa durante um discurso para molhar os lábios e o Twitter encheu-se de piadas sobre o peculiar momento

Donald Trump estava a discursar sobre segurança nacional quando fez uma pequena pausa para beber um pouco de água, mas segurou no copo com as duas mãos, tal como uma criança o faria. E se às crianças tudo é perdoado, em relação ao Presidente dos EUA isso raramente acontece, sobretudo depois do chefe de Estado norte-americano ter criticado o senador Marco Rubio pela forma como este bebia água.

O que Trump não esperava era que sempre que fosse fazer uma pausa para molhar os lábios que o Twitter se enchesse de comentários sobre a forma infantil como o fazia.

"Alguém me pode explicar porque é que o Presidente (TOSSEmãosdebebéTOSSE) Trump precisa das duas mãos para beber um copo com água?", questionou Holly O'Reilley.

Ou ainda:

"O meu gato parece mais presidencial quando lambe água da sua taça", brincou Christian la Mont.

Mas também:

"As suas capacidades motoras estão a falhar", escreveu Norma Demby.

Esta não é a primeira vez que Donald Trump é alvo de piadas pela forma como bebe água. O caso mais recente aconteceu a 15 de novembro, quando o presidente regressou da longa visita à Ásia e ficou com a garganta seca.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.