The Voice Portugal. Regresso da galinha dos ovos de ouro

A quarta edição deste 'talent show' arranca amanhã , às 21.15, na RTP1. Catarina Furtado garante que o programa está fortíssimo, mas lamenta a escassez de recursos financeiros

Mickael Carreira, Marisa Liz, Aurea e Anselmo Ralph voltam a ter encontro marcado com os espectadores já a partir de amanhã, estendendo-se ao longo dos próximos 17 domingos. O The Voice Portugal estreia-se na RTP1, às 21.15, com a promessa de "estar ainda melhor do que a edição anterior".

Quem o diz é Catarina Furtado, que volta a conduzir este formato ao lado de Vasco Palmeirim. "É verdade, e que me cresça aqui o nariz se estiver a mentir, que estou verdadeiramente surpreendida pelo facto de esta edição ser ainda melhor do que anterior. Garanto que é. Eu e o Vasco [Palmeirim] ficámos de boca aberta nas provas cegas. Temos uma edição fortíssima", assevera a apresentadora.

No ano passado, a concorrente Deolinda Kinzimba, que pertencia à equipa liderada pelo mentor Mickael Carreira, foi a vencedora. Neste ano, o cantor "gostava de ser o Cristiano Ronaldo do The Voice e ganhar a segunda Bola de Ouro". Pese embora reconheça que neste ano "as equipas estão mais equilibradas".

Em tom de brincadeira, Anselmo Ralph, que venceu a segunda edição deste programa, afirma que "neste ano é cada um por si", uma vez que só "no mundo das fadas e das princesas" era possível que a vitória alternasse entre todos os mentores. Mais sério, o artista assume que na presente edição "era bom que ganhasse a Aurea ou a Marisa".

A vocalista da banda Amor Electro não esconde que essa é uma ambição. "Espero que seja neste ano que tenha a oportunidade de partilhar esse momento [vitória] com alguém da minha equipa." Ainda assim, Marisa Liz destaca que "mais do que ganhar, o mais importante é percorrer o caminho, olhar para trás e ter orgulho naquilo que foi feito".

Os espectadores do The Voice Portugal vão poder contar com "uma rivalidade saudável" entre os quatro mentores. "Divertimo-nos imenso a picar-nos uns aos outros, mas isso nunca afetou a nossa amizade", aponta Marisa Liz. Já Aurea, que assume este papel pela segunda vez, garante que nesta edição vai estar "mais confiante". "Sou uma pessoa muito reservada, esta foi a minha primeira experiência com câmaras. Mas neste ano estou muito mais à vontade."

Vencer "vai saber a vinho"

No ano passado, o The Voice Portugal conseguiu vencer o reality show A Quinta, exibido na TVI, em quase todos os confrontos diretos, tendo apenas perdido terreno já na reta final. Ainda assim, o talent show da RTP1 conseguiu recuperar a liderança e registou o seu melhor resultado no dia da final, que foi exibida a 10 de janeiro, com 1,255 milhões de espectadores, o que se traduziu em 13% de rating e 27,2% de share.

Agora, o formato apresentado por Catarina Furtado e Vasco Palmeirim vai ter como concorrente direto o reality show Casa dos Segredos 6, que arranca no próximo domingo, dia 11, na TVI.

Os resultados registados na edição anterior elevam a fasquia. Se conseguir ganhar ao reality show conduzido por Teresa Guilherme, Catarina Furtado confessa que "vai saber a uma garrafa de vinho".

A apresentadora do programa produzido pela Shine Iberia realça que é "incrível como em Portugal se faz televisão com tão boa qualidade e com tão poucos recursos financeiros". Opinião que é partilhada pelos técnicos de outros países. "Eles são os primeiros a dizer: "Incrível! Vocês com poucos ovos fazem omeletas fantásticas. Por um lado é um orgulho, por outro tenho imensa pena que não haja um investimento maior. É uma equipa pequena, a dar o litro, a fazer das tripas coração para que as coisas corram mesmo bem. É trabalhar horas e horas sem parar", observa.

Relativamente ao facto de sentir-se mais confortável nos programas gravados ou nas galas em direto, Catarina Furtado brinca e diz: "Sinto-me sempre confortável, dependendo dos sapatos."

Esta vai voltar a ser uma edição marcada por momentos de emoção e pelas histórias de vida dos concorrentes. A apresentadora não esconde que esta é a sua parte preferida, mas deixa uma promessa. "Acho que estou cada vez mais lamechas. Mas prometo que não há aqui nenhuma tentativa de escarafunchar na vida das pessoas. Acho que temos um bom barómetro."

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.