"The New York Times" já escolheu: "Hillary a presidente"

O jornal assumiu apoio à candidata democrata. "A nossa escolha é baseada em respeito pela sua inteligência, experiência, dureza e coragem", lê-se no editorial.

Falta pouco mais de um mês para que os norte-americanos elejam um novo presidente, o sucessor de Barack Obama. Com a batalha entre a democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump cada vez mais renhida, até as mais conceituadas publicações sentem a necessidade de tomar uma posição. Este sábado, foi o "The New York Times" que o fez: "Hillary a presidente", lê-se no editorial.

"Num normal ano de eleições, faríamos a comparação dos dois candidatos presidenciais lado a lado. Mas este não é um normal ano de eleições. Uma comparação como essa seria infrutífera numa corrida em que um candidato - a nossa escolha, Hillary Clinton - tem um currículo de serviço aos cidadãos e um rol de ideias pragmáticas, e em que o outro, Donald Trump, revela nada em concreto sobre si mesmo ou sobre os seus planos, enquanto promete a lua e as estrelas", explica o conselho editorial.

Ao assumir a tomada de partido, o "The Times" pretende "persuadir aqueles que estão hesitantes em votar na Mrs. Clinton". Depois de realçar os seus "mais de 40 anos" de vida política, que a preparam para enfrentar problemas como os "conflitos no Médio Oriente, na Ásia, na Rússia, a guerra ou o terrorismo", o jornal conclui: "A nossa escolha é baseada em respeito pela sua inteligência, experiência, dureza e coragem ao longo de uma carreira de quase contínuo serviço público, muitas vezes sendo a primeira ou a única mulher na arena".

O editorial é publicado na edição em papel deste domingo, um dia antes de Clinton e Trump estarem frente-a-frente no primeiro debate presidencial, que será transmitido pela NBC. Os norte-americanos preencherão o boletim de voto a 8 de novembro.

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.