'Saturday Night Live': há 40 anos a levar políticos à loucura

O programa de late night tem uma festa preparada para festejar quatro décadas. Relembre alguns dos momentos mais icónicos.

Estavamos a 11 de outubro de 1975, quando foi para o ar o primeir episódio de NBC"s Saturday Night. Nascia, assim, um dos maiores fenómenos televisivos dos nossos tempos. Hoje, já como Saturday Night Live, o programa que mistura sketch comedy, celebridades, sátira, ironia e convidados musicais, assinala o seu 40.º aniversário. E tem planos especiais: uma festa na Quinta Avenida, Nova Iorque, onde será exibido o primeiro episódio, apresentado pelo humorista George Carlin.

Quem comprar bilhete terá oportunidade de "visitar os cenários, adereços originais, roupas, tirar selfies no famoso set e dar as notícias sentado atrás da secretária", explicam os responsáveis do evento, no site oficial. E se tiver como data de nascimento 11 de outubro de 1975, tome nota, poderá entrar sem pagar um único tostão.

Neste último sábado, a comediante Amy Schumer foi a anfitriã de honra e The Weeknd ocupou-se do espaço musical. No entanto, a comemoração oficial no ecrã da NCB foi feita muito antes, a 15 de fevereiro deste ano, num episódio especial que incluiu personalidades do elenco original, bem como outras que passaram pelo palco ao longo dos quarenta anos - Betty White, Eddie Murphy, Adam Sandler, Tina Fey, Amy Poehler, Jimmy Fallon, Jerry Seinfeld, Bill Murray, Will Ferrell, Jim Carrey, Tom Hanks, Paul McCartney, Justin Timberlake, entre outros.

Mas recordemos alguns dos momentos mais icónicos do SNL. Grande parte deles, refira-se, celebrizados graças à sátira de figuras políticas. Ainda na semana passada, o ator Taran Killiam entrou na pele de Donald Trump, retratando o momento polémico em que o candidato a presidente dos EUA disse a uma apresentadora da Fox News que tinha "sangue a sair da coisa dela". "Ela é talentosa e bonita, mas é uma bezerra que está sempre com o período e espero que ela morra", atirou o "falso" Trump, no sketch. Nesse mesmo episódio, a verdadeira Hillary Clinton também ajudou à festa, mas não como si própria, como uma empregada de bar. "O Donald Trump não é aquele que está sempre a dizer "Eh, vocês são todos uns falhados?"", brincou , atrás do balcão.

O seu marido, Bill Clinton, é outra das personalidades preferidas do programa de late night. Darrell Hammond é o humorista que mais vezes o imitou e é, também, o anfitrião do SNL que mais celebridades impersonou - mais de 107, entre elas também George W. Bush (celebrizado principalmente por Will Ferrell), Arnold Schwarzenegger, Jimmy Carter e até Donald Trump.

Outro político que não escapou ao sentido de humor aguçado do Saturday Night Live foi Ronald Reagan.Phil Hartman, um dos talentos do programa, tornou a personagem viral graças a um sketch no qual, enquanto explicava ao seu staff os detalhes de uma operação internacional, foi interrompido para se encontrar com uma jovem escuteira que lhe queria vender bolachas. "É esta a parte do trabalho que mais odeio!", murmura.

Mas é impossível recordar os melhores momentos deste fenómeno televisivo sem mencionar, também, Tina Fey e Amy Poehler. Na pele de Sarah Palin e Hillary Clinton, respetivamente, a dupla protagonizou alguns dos sketchs mais memoráveis do SNL, entre eles um que juntou as duas políticas numa imprevisível conferência de imprensa. E não esqueçamos a famosa frase que Fey pôs na boca da candidata vice-presidencial de 2008: "Consigo ver a Rússia da minha casa".

Para além de figuras políticas, muitas outras foram também caricaturadas pelos donos do palco. Destaquem-se, por exemplo, Tony Bennett (interpretado por Alec Baldwin), James Brown (por Kevin Hart), Justin Bieber (por Kate McKinnon) e Jimmy Fallon (por Justin Timberlake).

Passados 40 anos, Saturday Night Live continua a ser o programa de late night com mais audiência na televisão norte-americana, entretendo milhões de pessoas por semana. A 41ª temporada arrancou a dia 3 de outubro, com Miley Cyrus como apresentadora, e registou, segundo dados da Nielsen, um crescimento de 13% relativamente à estreia do ano passado, que contou com Chris Pratt e Ariana Grande. Na próxima semana, estão já confirmados dois grandes nomes da cultura pop norte-americana: Tracy Morgan e Demi Lovato.

Leia mais na edição impressa ou e-paper do DN.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG