Ricky Gervais de volta aos Globo de Ouro. Como será desta vez?

Criador da série 'The Office' substitui Tina Fey e Amy Poehler. As outras cerimónias foram polémicas

Ricky Gervais vai apresentar os Globo de Ouro 2016. Será a quarta vez que o ator britânico de 54 anos conduz a cerimónia. Gervais substitui Tina Fey e Amy Poehler, a dupla de atrizes que apresentou os prémios em 2013, 2014 e 2015.

"Estamos entusiasmados por tê-lo de volta", disse Lorenzo Soria, presidente da Associação de Correspondentes Estrangeiros de Hollywood, concluindo: "A sua sagacidade e charme peculiares certamente vão deixar os espectadores de todo o mundo colados aos sofás."

Piadas polémicas...

Em 2010 Gervais teve várias piadas mal recebidas pelo público americano, como por exemplo quando brincou com os problemas de Mel Gibson com álcool, o interesse de celebridades por cirurgias plásticas e o caríssimo divórcio de Paul McCartney. Mas voltou (menos mordaz) nos dois anos seguintes. A verdade é que várias celebridades e alguns organizadores do evento qualificaram as piadas como "totalmente inaceitáveis" e o criador da série 'The Office' foi substituído.

Agora está de volta. A 10 de janeiro de 2016 se verá como.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.