Mudanças (de bastidores) no Facebook: o que muda na sua conta?

Empresa anunciou várias medidas para evitar o roubo e mau uso de informação. Acontecerão mais investigações e, noutros casos, os dados pedidos serão reduzidos, a menos que o Facebook permita o contrário

Depois de Mark Zuckerberg ter reagido ao escândalo que envolve o Facebook e a Cambridge Analytica, a própria rede social anuncia novas medidas para proteger os dados e as informações dos utilizadores. São mudanças sobretudo de bastidores, que não terão grande impacto na experiência dos utilizadores.

O fundador do Facebook disse que, "no final das contas", era o "responsável pelo que acontece" na plataforma. "Aprenderemos com a experiência [caso Cambridge Analytica] para proteger ainda mais a nossa plataforma e tornar a nossa comunidade mais segura daqui para a frente", referiu também.

Falta saber, no entanto, até que ponto estas medidas, ou as novas ferramentas apresentadas para tornar a "comunidade mais segura", vão ser de acesso fácil e qual vai ser o seu verdadeiro impacto. Isto porque as mudanças acontecem em algumas definições que estão um pouco "escondidas" ou que não são muito acedidas pelos utilizadores.

Uma publicação da empresa no seu blogue explica as mudanças e incide nas aplicações que existem na rede social, anunciando "passos para o futuro" para "prevenir abusos futuros" relativamente à partilha de dados. Assim, a "segurança mais forte" vai na prática:

Desligar aplicações que não são usadas

Se alguém não usar uma app durante três meses, será desligado o acesso por parte dessa aplicação às informações pessoais.

Encorajar as pessoas a gerir as apps

O Facebook promete tornar mais importantes e fáceis de manusear as ferramentas que permitem gerir as aplicações.

Rever a plataforma

O Facebook vai investigar as aplicações que acederam a grandes blocos de informação antes das mudanças de 2014 para reduzir este mesmo acesso. Não é claro se as pessoas serão notificadas, ou se há um sítio onde podem fazer essa verificação. Serão investigadas as apps com atividade suspeita e os criadores que usarem de forma maliciosa informação identificável serão banidos.

Avisar os utilizadores

A rede social compremete-se a dar informação aos utilizadores que foram afetadas nesta situação, da Cambridge Analytica. Além disso, se uma app for removida por roubo ao mau uso de informação, os utilizadores serão também avisados.

Restringir as informações de login

Para iniciar sessão numa aplicação as informação requeridas serão apenas o nome, fotografia de perfil e endereço de e-mail. Para pedir qualquer outro tipo dados o Facebook terá de autorizar.

Denúncias de vulnerabilidades serão premiadas

Quem ajudar a identificar o mau uso de informações por parte de criadores e publicações receberá uma recompensa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.