McDonald's pede desculpa por anúncio com criança órfã de pai

Reações ao vídeo não foram positivas. Entidade responsável vai averiguar se existem motivos para investigação

A cadeia de restauração McDonald's foi obrigada a pedir desculpa por um anúncio televisivo que recentemente começou a passar no Reino Unido.

O vídeo mostra uma criança a perguntar à mãe detalhes sobre o pai, que está morto e que a criança nunca conheceu.

Durante todo o vídeo a criança não encontra nada em comum com o pai, até que entra num restaurante McDonald's e o seu pedido é igual ao "favorito" do pai, conforme lhe diz a mãe.

As reações ao anúncio estão longe de ser positivas.

Desde vários utilizadores do Twitter a várias fundações, como a Grief Encounter, o anúncio é acusado de ser "insensível". À BBC, o porta-voz da Grief Encounter disse que a marca tentou "explorar a perda das crianças como forma de se ligar aos jovens e também aos pais que sobreviveram, sem sucesso".

O anúncio, no entanto, não vai ser retirado. Também à BBC, um porta-voz da cadeia de restaurantes afirmou que o 'spot' não tinha intenções de ofender os espectadores, mas sim para mostrar o "papel que a McDonald's tem no dia-a-dia dos seus clientes".

A entidade britânica responsável pela regulação da publicidade diz que vai "averiguar se existem factos para acontecer uma investigação".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.