James Corden sai em defesa de Jimmy Fallon em relação a Trump

O comediante britânico procurou defender Jimmy Fallon da onda de críticas que surgiram quando o apresentador de "The Tonight Show" não fez perguntas difíceis a Trump quando teve a oportunidade.

James Corden defendeu o colega de profissão Jimmy Fallon, dizendo que as críticas que apontaram ao apresentador de "The Tonight Show" foram "muito injustas". Jimmy Fallon foi alvo de comentários depreciativos por personalidades dos media depois de ter conversado com Donald Trump sem ter abordado as políticas do na altura ainda candidato a presidente dos EUA.

O apresentador britânico, quando falava no Playfest, um evento sobre a televisão e a rádio, lembrou a quantidade de talk shows em que Trump apareceu, para chegar a Fallon. "Depois aconteceu aquilo com Jimmy Fallon e ele foi muito criticado. Achei isso injusto porque na verdade ninguém fez as perguntas certas a Donald Trump", disse Corden, tendo em mente o momento em que Fallon puxou o cabelo a Trump para verificar se era verdadeiro ou uma peruca.

James Corden revelou ainda que tinha um plano caso Trump decidisse aparecer. "Ele não passou pelo nosso programa mas sinto que tínhamos o jogo perfeito se isso acontecesse." O jogo, explicou Corden, chamava-se "Stand by it or Take it Back" (Reafirmo o que disse ou Retiro o que disse, em tradução livre) e consistia em dar duas raquetes a Donald Trump com uma dessas expressões em cada uma.

"Depois eu lia-lhe coisas que ele tinha dito durante a campanha, e ele poderia levantar uma ou outra raquete. Se escolhesse 'Take it back', teria de retirar o que disse para sempre, se escolhesse 'Stand by it', teria de me explicar a razão de assim ser. Acho que seria um jogo muito bom!", concluiu o comediante de "The Late Late Show".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.