YouTube elimina 8 milhões de vídeos do site em três meses

Os vídeos foram eliminados por terem conteúdos considerados impróprios, como por exemplo incitar o ódio, a violência, atos perigosos ou o abuso infantil

O YouTube anunciou esta terça-feira a remoção de mais de oito milhões de vídeos entre outubro e dezembro de 2017 que violavam a política da plataforma, por serem "spam" ou conteúdo considerado impróprio por incitar o ódio, a violência, atos perigosos ou abuso infantil.

Em comunicado divulgado, a plataforma precisa que este dado consta do primeiro relatório trimestral que pretende revelar como estão a ser aplicadas as regras da comunidade do YouTube e para mostrar o progresso na remoção de conteúdos que violam as políticas da plataforma.

O relatório de transparência do YouTube "será atualizado trimestralmente", informa no comunicado, adiantando que, até ao final do ano, planeia acrescentar dados adicionais no relatório, incluindo informação sobre comentários, velocidade da remoção e violações de políticas que motivaram a remoção.

"Também estamos a introduzir um local onde cada utilizador do YouTube pode aceder individualmente para verificar o estado dos vídeos que denunciou/sinalizou e pediu revisão por considerar que violam as regras da comunidade", acrescenta.

A YouTube revela ainda que 6,7 milhões das remoções de vídeos no último trimestre do ano passado foram, primeiro, sinalizadas por máquinas para revisão, por intervenção humana, e 75% foram removidos antes de serem vistos.

"As máquinas estão a ajudar-nos a sinalizar o conteúdo para revisão em escala, permitindo-nos remover milhões de vídeos que violam políticas, mesmo antes de serem visualizados", diz a plataforma naquele comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.