YouTube elimina 8 milhões de vídeos do site em três meses

Os vídeos foram eliminados por terem conteúdos considerados impróprios, como por exemplo incitar o ódio, a violência, atos perigosos ou o abuso infantil

O YouTube anunciou esta terça-feira a remoção de mais de oito milhões de vídeos entre outubro e dezembro de 2017 que violavam a política da plataforma, por serem "spam" ou conteúdo considerado impróprio por incitar o ódio, a violência, atos perigosos ou abuso infantil.

Em comunicado divulgado, a plataforma precisa que este dado consta do primeiro relatório trimestral que pretende revelar como estão a ser aplicadas as regras da comunidade do YouTube e para mostrar o progresso na remoção de conteúdos que violam as políticas da plataforma.

O relatório de transparência do YouTube "será atualizado trimestralmente", informa no comunicado, adiantando que, até ao final do ano, planeia acrescentar dados adicionais no relatório, incluindo informação sobre comentários, velocidade da remoção e violações de políticas que motivaram a remoção.

"Também estamos a introduzir um local onde cada utilizador do YouTube pode aceder individualmente para verificar o estado dos vídeos que denunciou/sinalizou e pediu revisão por considerar que violam as regras da comunidade", acrescenta.

A YouTube revela ainda que 6,7 milhões das remoções de vídeos no último trimestre do ano passado foram, primeiro, sinalizadas por máquinas para revisão, por intervenção humana, e 75% foram removidos antes de serem vistos.

"As máquinas estão a ajudar-nos a sinalizar o conteúdo para revisão em escala, permitindo-nos remover milhões de vídeos que violam políticas, mesmo antes de serem visualizados", diz a plataforma naquele comunicado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.