"Will & Grace" está de volta. Hillary Clinton é a "culpada"

O elenco da "sitcom" reuniu-se dez anos após o episódio final. O objetivo não foi gravar uma nova temporada, mas sim fazer um pequeno episódio de apoio à candidata presidencial

Dez anos após o final de Will & Grace, o elenco reuniu-se pela primeira vez para deixar a sua marca na campanha presidencial que decorre nos EUA. Eric McCormack (Will), Debra Messing (Grace), Sean Hayes (Jack) e Megan Mullally (Karen) gravaram um pequeno episódio de 10 minutos para demonstrar o seu apoio à candidata democrata Hillary Clinton.

Divulgado esta segunda-feira à noite, o vídeo coincidiu com o primeiro debate presidencial entre Clinton e Donald Trump, transmitido pela NBC - o mesmo canal que acolheu, entre 1998 e 2006, a sitcom. Não faltaram referências à política defendida pelo republicano, à recente separação de Brad Pitt e Angelina Jolie, a fenómenos televisivos recentes como Dança com as Estrelas, e até a... Katy Perry.

Mas até o mistério ser desfeito, os fãs estiveram incontroláveis nas redes sociais, até porque durante o fim de semana os atores partilharam teasers que indicavam uma possível reunião para reavivar a série. "Um grupo de heróis vai [will] juntar-se para proteger o mundo dos aliens e [&] da destruição. Apenas um ato de graciosidade [grace] pode salvá-los na sua luta pelo que é [is] certo. Apenas eles conseguirão trazer a América de volta [back] das trevas", lê-se num vídeo publicado por Debra Messing. Na frase original, as palavras entre parêntesis estavam a negrito, revelando, precisamente Will & Grace is back (em português, Will & Grace está de volta).

Os quatro atores foram partilhando também, ao longo de todo o dia, várias fotografias nos bastidores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.