Twitter chinês já não vai boicotar homossexuais

Rede social chinesa anunciou que ia limpar "feed" para criar ambiente mais "harmonioso". Protestos fizeram com que voltasse atrás

A rede social chinesa Sina Weibo (o Twitter chinês) anunciou na sexta-feira passada que ia banir os conteúdos "relacionados com homossexualidade" do seu feed. Mas os protestos que o anúncio motivou, levaram a que anunciasse esta segunda-feira que afinal já não o vai fazer.

O primeiro anúncio, feito na sexta-feira, referia que nos próximos três meses a Sina Weibo iria remover cartoons e vídeos "com pornografia, promoção de violência ou relacionados com homossexualidade". A rede social classificou esta iniciativa como um esforço de "criar um ambiente comunitário harmonioso e luminoso" e cumprir as leis de cibersegurança do país, refere o The Guardian. Quando fez este anúncio, referiu que já tinha limpado mais de 50 000 publicações.

Esta segunda-feira de manhã o termos censurado mais pesquisado era já "homossexualidade", refere a BBC, citando o identificador de censura FreeWeibo.

Parte da retaliação dos utilizadores da Weibo passou pela colocação em massa de fotografias de casais homossexuais, comentários e partilha de emojis com arco-íris, acompanhados da hashtag #iamgay e #iamgaynotapervert.

Entre os protestos contam-se as publicações da ativista pelos direitos LGBT Pu Chunmei, que publicou fotografias com o seu filho gay. "O meu filho e eu amamos o nosso país... estamos orgulhosos de ser chineses! Mas hoje vi o anúncio da Sina Weibo... como fonte de notícias é discriminatório e ataca as minorias, e isso é violência!", escreveu, citada pela BBC.

A homossexualidade foi descriminalizada em 1997 e em 2001 foi retirada da lista de doenças mentais pelo governo.

Depois dos protestos, a Sina Weibo limitou-se a dizer que a sua campnaha já não va incluir o conteúdo homossexual e vai apenas limpar o material pornográfico e violento. "Obrigada a todos pela discussão e pelas vossas sugestões", acrescentou a empresa em comunicado, na própria rede social.

Ler mais

Exclusivos