Hugo Chávez morreu há cinco anos. Conta no Twitter foi reativada

A reativação da conta tem lugar dois dias depois de a Assembleia Constituinte aprovar um decreto a convocar a realização de eleições presidenciais antecipadas

A conta oficial no Twitter do ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez, que morreu em 2013, foi hoje reativada, a pouco mais de um mês de completar-se o quinto aniversário da sua morte.

A conta foi reativada com a publicação de uma mensagem com uma foto de Hugo Chávez com uma criança nos braços, acompanhada de uma mensagem que o próprio tinha partilhado durante a quarta edição do programa radiofónico e televisivo "Aló Presidente", em 20 de junho de 1999.

"Por cima de todas as dores, nós os pais, temos pela frente a tarefa de salvar a pátria para deixá-la aos nossos filhos. Esse é o apelo desse momento histórico que estamos a passar", lê-se na conta que tem 4,21 milhões de seguidores.

Entretanto a filha de Hugo Chávez, Maria Gabriela Chávez, colocou também uma mensagem no Twitter anunciando que a conta tinha sido reativada.

"Reativámos a conta @chanvezcandanga e será administrada por uma equipa da Fundação Comandante Eterno Hugo Chávez", escreveu.

A reativação da conta tem lugar dois dias depois de a Assembleia Constituinte, composta unicamente por apoiantes do Presidente Nicolás Maduro, aprovar um decreto a convocar a realização de eleições presidenciais antecipadas, até ao próximo dia 30 de abril.

Nas eleições, que fontes não oficiais insistem poderá ocorrer ainda em março, Nicolás Maduro, sucessor de Hugo Chávez será candidato à reeleição.

A 8 de dezembro de 2012, durante a sua última alocução ao país, antes de viajar a Cuba para tratar um cancro, o falecido presidente Hugo Chávez, chamou os revolucionários a eleger Nicolás Maduro como seu sucessor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.