Hugo Chávez morreu há cinco anos. Conta no Twitter foi reativada

A reativação da conta tem lugar dois dias depois de a Assembleia Constituinte aprovar um decreto a convocar a realização de eleições presidenciais antecipadas

A conta oficial no Twitter do ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez, que morreu em 2013, foi hoje reativada, a pouco mais de um mês de completar-se o quinto aniversário da sua morte.

A conta foi reativada com a publicação de uma mensagem com uma foto de Hugo Chávez com uma criança nos braços, acompanhada de uma mensagem que o próprio tinha partilhado durante a quarta edição do programa radiofónico e televisivo "Aló Presidente", em 20 de junho de 1999.

"Por cima de todas as dores, nós os pais, temos pela frente a tarefa de salvar a pátria para deixá-la aos nossos filhos. Esse é o apelo desse momento histórico que estamos a passar", lê-se na conta que tem 4,21 milhões de seguidores.

Entretanto a filha de Hugo Chávez, Maria Gabriela Chávez, colocou também uma mensagem no Twitter anunciando que a conta tinha sido reativada.

"Reativámos a conta @chanvezcandanga e será administrada por uma equipa da Fundação Comandante Eterno Hugo Chávez", escreveu.

A reativação da conta tem lugar dois dias depois de a Assembleia Constituinte, composta unicamente por apoiantes do Presidente Nicolás Maduro, aprovar um decreto a convocar a realização de eleições presidenciais antecipadas, até ao próximo dia 30 de abril.

Nas eleições, que fontes não oficiais insistem poderá ocorrer ainda em março, Nicolás Maduro, sucessor de Hugo Chávez será candidato à reeleição.

A 8 de dezembro de 2012, durante a sua última alocução ao país, antes de viajar a Cuba para tratar um cancro, o falecido presidente Hugo Chávez, chamou os revolucionários a eleger Nicolás Maduro como seu sucessor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.