Ucrânia vence a Eurovisão pela segunda vez com canção politizada

A final da 61.ª edição do Festival Eurovisão da Canção decorreu este sábado em Estocolmo

A Ucrânia venceu a 61.ª edição do Festival Eurovisão da Canção, que se realizou nesta noite de sábado em direto de Estocolmo, na Suécia.

O tema preferido da Europa foi 1944, interpretado por Jamala, uma tártara da Crimeia: um tema que pede "paz e amor" no mundo, tendo como pano de fundo a história das deportações em massa dos tártaros da Crimeia em 1944 por Estaline.

A Ucrânia já tinha vencido o certame em 2004.

Um ano depois de ter sido convidada no ano passado, a Austrália foi uma das surpresas da noite, conquistando um lugar no pódio da edição deste ano. A Rússia ficou no segundo posto.

Depois de duas semifinais ao longo da semana, um total de 26 países (20 apurados nas duas eliminatórias, o país anfitrião, Suécia, e os cinco concorrentes fixos - Reino Unido, Espanha, França, Alemanha e Itália) mostraram as suas canções a concurso na grande final do evento, transmitida em direto na RTP1.

Esta foi a primeira edição que contou com a exibida em direto nos EUA. Talvez por isso mesmo, a final da Eurovisão contou ainda com a atuação ao vivo do norte-americano Justin Timberlake, que cantou o seu novo single Can't Stop The Feeling.

Portugal ficou de fora da edição deste ano, tornando-se assim na quinta ausência no certame europeu, depois de 1970, 2000, 2002 e 2013. A RTP, contudo, já prometeu um regresso da participação portuguesa à Eurovisão no próximo ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.