Trump diz que o seu discurso foi o mais visto mas audiências desmentem

A cerimónia de tomada de posse, há cerca de um ano, deu origem a uma discussão semelhante

O Presidente norte-americano, Donald Trump, disse hoje que as audiências do seu primeiro discurso do Estado da União "foram as mais altas da história", uma afirmação que não corresponde à verdade, segundo a empresa que mede as audiências.

"Obrigado a todos pelos elogios e pelos comentários sobre o discurso do Estado da União. (...) 45,6 milhões de pessoas assistiram, o número mais alto da história", escreveu hoje Donald Trump no habitual tweet da manhã. O Estado da União decorreu na noite de terça-feira (madrugada de quarta-feira em Lisboa).

No entanto, segundo a empresa norte-americana que mede as audiências - a Nielsen - o número de norte-americanos que viram o primeiro discurso do Estado da União de Trump não foi o maior da história, nem o segundo, nem o terceiro. Aliás, não bateu as audiências do primeiro discurso do Estado da União dos três últimos antecessores.

O primeiro discurso do Estado da União do democrata Bill Clinton, em 1994, foi visto por 45,8 milhões; o do republicano George W. Bush, em 2002, foi seguido por 51,8 milhões de norte-americanos e o de Barack Obama, em 2010, foi visto por 48 milhões de telespetadores.

A afirmação de hoje de Donald Trump evoca uma outra polémica relacionada com audiências e assistências, um tema que é recorrente nos tweets do Presidente dos EUA, mesmo em dias em que o tema mais importante é a crise nuclear na península coreana ou o impasse político no Congresso.

Na sequência da sua cerimónia de tomada de posse, em finais de janeiro do ano passado, a imprensa norte-americana mostrou fotos que comparavam a multidão a assistir à cerimónia com a da primeira tomada de posse de Obama. As fotos mostravam uma assistência muito menor na cerimónia de Trump.

O presidente - através da sua equipa de comunicação, cujo porta-voz na altura era Sean Spicer - argumentou depois que não era assim, e que muito mais pessoas tinham assistido à sua cerimónia de tomada de posse do que à de Obama. Spicer defendeu a tese perante uma sala cheia de jornalistas acreditados na Casa Branca, chegando a irritar-se com as perguntas dos repórteres nesse sentido.

"Estas tentativas de diminuir o entusiasmo da tomada de posse são vergonhosas e erradas", disse Spicer, naquela que foi a sua primeira comparência perante os media da Casa Branca.

Foi na sequência deste episódio que, pela primeira vez, foi usada a expressão "factos alternativos" pela administração Trump, neste caso pela - na altura - conselheira do Presidente, Kellyanne Conway.

"Vocês estão a dizer que ele disse uma falsidade e o Sean Spicer, o nosso secretário para a imprensa, apresentou factos alternativos", disse na altura Conway, que também sustentou que "não seria possível provar se a audiência era maior ou não".

Ainda assim, apesar de admitir que seria difícil provar se sim ou se não, a administração Trump salientou sempre que a audiência de Trump "foi a maior".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.