"Tive de escolher entre escrever para o Herman ou trabalhar na arca do Pessoa"

Pequeno-almoço com Nuno Artur Silva, administrador da RTP

Arrumamos os carros, com segundos de diferença, no mesmo piso do mesmo estacionamento, quase ao lado um do outro. Coincidência na pontualidade dá este resultado. O percurso pelo Chiado inundado de luz e de turistas madrugadores é feito a conversar mas ainda sobre as agruras matinais de um pai de duas crianças pequenas. Quem já passou por isso sabe das molezas, dos sonos, do tentar vestir depressa, do falta-o-brinquedo-que-quero-levar-para-a-escola. Entramos a rir na Benard, pâtisserie nascida em 1868 que soube adaptar-se ao ar do tempo. Escolhemos a sala do fundo, precisamos de sossego. Adianto desde já um aviso aos pais fartos de ouvir incessantemente no carro as músicas dos filhos : a RTP vai lançar uma rádio infantil, uma app online. Como à frente se verá.

Nuno Artur Silva tem muita vida para contar antes daquele famoso telefonema que recebeu em janeiro do ano passado. Ia a caminho do Teatro São Luiz, onde fazia uma stand-up comedy, de seu título Nuno Artur Silva. A sério? Tinham passado os tempos melhores das Produções Fictícias, andava feliz a escrever, embora um pouco angustiado com o futuro. Do outro lado do telefone, Gonçalo Reis. Podemos conversar? O administrador da RTP não o convidava para diretor de programas, como ele chegou a suspeitar, mas para a administração. A sério, Nuno? Como se dizia nas histórias infantis, se bem o pensou, melhor o fez.

Temos na mesa dois croissants simples, um sumo de laranja e dois cafés, consumidos à medida que a conversa permite, isto é, lentamente. Administrador da RTP, a sério. Entre as razões para ter aceitado o convite, avança duas - primeiro, "a administração não era nomeada pelo governo mas sim por um Conselho Geral Independente formado por seis pessoas respeitáveis"; segundo, tinha falado de televisão nos 20 anos anteriores, tinha escrito opinião, "não podia agora recusar". Havia um outro elemento, afetivo: "Cresci a ver a RTP."

Antes de tomarem posse - Gonçalo Reis na presidência, Cristina Vaz Tomé e Nuno como vogais, tiveram um mês para apresentar um projeto estratégico que teve de ser aprovado. Conta que se apresentaram no dia 8 de fevereiro de 2015 perante os trabalhadores da empresa pública - 1600, atualmente - com quatro ideias-base: "Não há privatização, não há despedimentos, estamos num quadro de estabilidade e o financiamento é estável."

Nuno Artur conhecia a casa, tinha sido, com as Produções Fictícias, produtor externo e autor. Em 1996, fora até assessor criativo de Joaquim Furtado e Joaquim Vieira. Também sabia que iriam olhar a nova equipa com a descrença de quem já viu passar outros por ali. "Havia muita desmobilização e nós quisemos mudar isso, e apostámos em ter as pessoas certas à frente das direções." Todas da prata da casa porque, sendo empresa pública, a RTP não pode fazer contratações novas. "Até agora contratámos cinco, com autorização expressa excecional dos ministérios das Finanças e da tutela." Se há áreas que têm pessoas a mais, em muitas outras acontece o contrário, sobretudo na multimédia. E portanto optaram por dar incentivo à mobilidade interna e à formação.

E é de uma estratégia para estes tempos em que todo o setor da comunicação social está em mudança acelerada - em todo o mundo - que Nuno Artur Silva fala, olhando de vez em quando para o telemóvel que deixou em silêncio mas que tem o ecrã sempre animado. Diz que recebe e-mails numa torrente "avassaladora", não apenas pela quantidade mas pela variedade dos temas. Responderá depois - "até porque já percebi que resolvemos um problema e logo a seguir surge outro".

Fala com entusiasmo da complexidade de conquistar diferentes públicos. "Sabemos que 75% dos espectadores da RTP 1 são inativos, isto é, pessoas mais velhas, reformadas, desempregados, crianças, muitos com as televisões ligadas para ter companhia ao longo do dia. Queremos ir buscar os outros."

Os outros são os que veem outros canais, quer no cabo quer através de outros meios. Hoje, ligar a televisão não é a única maneira de ter acesso aos conteúdos. Os espectadores podem optar por outros ecrãs e escolher os horários. E se a larga maioria está garantida, é às várias minorias que a RTP quer chegar: "Queremos que as pessoas vejam da maneira que quiserem, quando quiserem. É pouco razoável concentrar todo o fogo na emissão às dez da noite. Hoje, há dois movimentos, o linear - as coisas que estão a acontecer àquela hora, os talk shows da manhã e da tarde, a televisão informativa, e isso é está nos canais de sinal aberto, em direto. E depois há a produção de conteúdos vistos às horas e nos ecrãs que se quer - as séries, os filmes, os desenhos animados, os programas de humor, os documentários."

Toda a estratégia se fundamentava na ideia de serviço público. "Dizem que o serviço público não faz sentido porque há tudo na internet. Não é verdade. A RTP tem a obrigação de ter o melhor do mundo e o melhor de Portugal. Mas não é só ter esses conteúdos, é preciso ter uma articulação que faça sentido. Estamos a emitir as peças de Shakespeare, nas noites de sábado, na RTP 2. Uma série de qualidade americana fazia mais audiência. Mas a questão é dar a pessoas que estão em Bragança ou em Vila Real de Santo António a oportunidade de ligarem a televisão e terem acesso ao cânone dramático mundial feito pelo Globe Theatre, de Londres, e depois verem um documentário sobre o Shakespeare."

E aí está o desafio principal: "Uma telenovela faz um milhão de espectadores, menos do que há uns anos, mas dificilmente se prolonga no tempo, enquanto um programa de humor pode ser visto daí a 20 anos. Quando se avalia as audiências do serviço público, não se pode ter em conta apenas as medições lineares. Queremos ser avaliados não só pela audiência, que é importante, mas sobretudo pelo impacto, a qualidade, a inovação, a diversidade, a capacidade de chegar a diferentes públicos. Estes parâmetros têm de ser colocados em cima da mesa ao mesmo nível que as audiências."

A RTP, explica, "é não só uma difusora mas também produtora e coprodutora. Chamamos--lhe a casa da rádio e da televisão, uma casa que tem muitas portas por onde se pode entrar. Uma empresa de media que não invista no digital não faz sentido. Ainda há quem pense que o importante é a RTP 1 e o resto é secundário. Isso é o contrário do que defendemos. A RTP é um conjunto de canais de rádio, de televisão e cada vez mais de canais multimédia." E daí que gestos simbólicos, como estrear séries "primeiro (ao meio-dia) no online, e só à noite na emissão".

Algumas mudanças já foram feitas, outras vêm aí: "Vamos lançar uma rádio infantil, uma app online, para os miúdos ouvirem no banco de trás do carro, por exemplo, e um canal de música pop online à volta da Antena 3. Estamos a fazer muitas coisas que só se vão perceber daqui a dois anos."

Outra alteração significativa tem que ver com a RTP Internacional. "As comunidades de emigrantes portugueses mais tradicionais querem uma programação mais popular, mas os novos emigrantes não se reveem nisso, querem sobretudo informação e desporto. Em vez de concentrarmos tudo na RTP Internacional, cada vez mais vendemos um pacote de canais. Quase 30% dos acessos à RTP Play são feitos do estrangeiro. Remodelámos o site da RTP, que é mais de informação. Ainda no primeiro semestre deste ano, a oferta para os emigrantes na América do Norte será a RTP Internacional e também a RTP 3, a RTP Madeira e a RTP Açores."

Também é sintomática na opção pela produção de séries e não de novelas de intriga simples. Oito para este ano, incluindo as duas já estreadas - Terapia e Aqui tão Longe. "As próximas são, no verão, Miúdo Graúdo, em setembro Boys, uma comédia nos bastidores da política, e depois Dentro, sobre prisões femininas."

Com o cargo que ocupa, as mil ideias de ficção de Nuno Artur Silva acumulam-se no tinteiro. Não foi esta a primeira vez que mudou o rumo da vida de forma inesperada.

Nascido em Lisboa a 5 de outubro de 1962, formou-se em Línguas e Literaturas Modernas e deu aulas de Português - "e adorava dar aulas" - em escolas secundárias durante sete anos. Imaginava que seria essa a sua vida, dar aulas e escrever peças de teatro, poesia, ficção. "De repente, chegou um momento em que tinha de decidir se ia escrever para o Herman ou trabalhar na arca do Pessoa." Exatamente: a pessoana Teresa Rita Lopes convidou-o para trabalhar "na arca de Pessoa" mais ou menos ao mesmo tempo que José Nuno Martins encontrou qualidade nas propostas que Nuno Artur Silva enviara para a RTP anos seguidos sem resposta. "Quando eu disse ao meu pai que ia deixar o vínculo da função pública de professor efetivo e formar uma empresa de escrita, ele perguntou-me: para fazer o quê?! E depois deu-me todo o apoio."

Tudo correu bem, como se sabe, com as Produções Fictícias, e chegou o Canal Q. "Mandámos um e-mail para a HBO a perguntar porque não tinham um canal em Portugal, e depois disso andámos um ano em negociações, entre Miami e Lisboa. Eles adoraram a nossa história porque também tinham começado por ser uma empresa de argumentistas. Iam comprar o canal, que se chamaria HBOQ, abriam um canal novo e compravam 1% das Produções Fictícias. Só faltava assinar o contrato e caiu tudo quando apareceu a troika, porque a HBO não investe em países intervencionados pelo FMI. Entretanto Miguel Relvas tomou conta da pasta da televisão e passámos a indesejados na RTP. Tive de fazer despedimentos, as Produções Fictícias ficaram pequeninas. A vida de produtor é isto."

E então chegou a stand-up comedy. E o telefonema. A sério?

Pastelaria Benard

› 2 croissants simples

› 1 sumo de laranja natural

› Dois cafés

Total: 10,90 euros

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".

Premium

António Araújo

Virgínia, a primeira jornalista portuguesa

Estranha-se o seu esquecimento. É que ela foi, sem tirar nem pôr, a primeira jornalista portuguesa, a primeira mulher que exerceu a profissão de repórter nos moldes que hoje conhecemos. Tem o seu nome nas ruas de algumas localidades (em Lisboa, no bairro de Caselas), mas, segundo sei, não é sequer recordada pela toponímia da sua terra natal, Elvas, onde veio ao mundo às cinco da madrugada do dia 28 de Dezembro de 1882. Seu pai era oficial de Cavalaria, sua mãe doméstica (e também natural de Elvas), seus irmãos militares de fortes convicções republicanas; um deles, Carlos Alberto, chegou a estar na Rotunda em Outubro de 1910 e a combater as tropas de Couceiro por bandas de Trás-os-Montes.

Premium

Marisa Matias

É ouro, senhores

Chegar à União Europeia não é igual para toda a gente, já se sabe. Em vários países da União Europeia - treze mais em concreto - ter dinheiro é condição de porta aberta. Já se o assunto for fugir à morte ou procurar trabalho, a conversa é bem diferente. O caso a que me refiro é o dos vistos gold. Portugal integra a lista de países com práticas mais questionáveis a este respeito. Não sou eu quem o diz, os dados vêm do Consórcio Global Anticorrupção e da Transparency International.

Premium

Germano Almeida

Parlamentares

A notícia segundo a qual dois deputados nacionais ultrapassaram a fase dos insultos verbais e entraram em desforço físico junto ou dentro do edifício do Parlamento correu as ilhas e também pelo menos a parte da diáspora onde chegam as nossas emissões, porque não só a Rádio Nacional proporcionou ao facto abundante cobertura, como também a televisão lhe dedicou largos 22 minutos de tempo de antena, ouvindo não só os contendores como também as eventuais testemunhas da lide, e por fim um jurista, que, de código em punho, esmiuçou a diferença entre uma briga e uma agressão pura e simples, para concluir que no caso em apreço mais parecia ter havido uma agressão de um deputado a outro, na medida em que tudo levava a crer ter havido um único murro. Porém, tão bem aplicado e com tanta ciência, que não houve mais nada a fazer senão conduzir o espancado ao hospital para os devidos curativos. E para comprovar a veracidade do incidente mostrou, junto a uma parede, uma mancha de sangue que por sinal mais fazia lembrar o local onde uma galinha poderia ter sido decapitada.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Desta vez Trump tem razão

A construção de uma Europa unida como espaço de paz, liberdade, justiça e prosperidade sustentável foi o maior projeto político da geração a que pertenço. É impossível não confessar a imensa tristeza que me invade ao observar mês após mês, ano após ano, como se caminha para aquele grau de exaustão e fadiga que faz pressentir a dissolução final. O que une, hoje, a Europa é a mais elementar pulsão de vida, o instinto de autossobrevivência. Não dos seus governantes, mas dos seus mais humildes cidadãos. O tumultuoso Brexit mostra bem como é difícil, mesmo para um grande país com soberania monetária, descoser as malhas urdidas ao longo de tantas décadas. Agora imagine-se a tragédia que seria o colapso da união monetária para os 19 países que dela participam. A zona euro sofreria um empobrecimento e uma destruição de riqueza exponenciais, como se uma guerra invisível, sem mortos nem ruínas, nos tivesse atingido. Estamos nisto há dez anos. Os atos políticos levados a cabo desde 2008, nada mudaram na gravidade dos problemas, apenas adiaram o desfecho previsível. Existe uma alternativa minimalista ao colapso. Implicaria uma negociação realista baseada nos interesses materiais concretos dos Estados, como aqueles casais que coabitam, mesmo depois do divórcio, para nenhum deles ter de ir morar na rua. A prioridade seria uma mudança das regras absurdas do tratado orçamental, que transformam, por exemplo, os 2,8% da derrapagem orçamental francesa prevista para 2019 numa coisa esplêndida, e os 2,4% solicitados pelo governo de Roma num pecado mortal! Contudo, os mesmos patéticos dirigentes políticos dos grandes países europeus que economizaram nos atos potencialmente redentores do projeto europeu, não nos poupam à sua retórica. A evocação do primeiro centenário do fim da I Guerra Mundial ultrapassou os limites do aceitável.