"The New York Times" responde a ameaças de Donald Trump

O candidato republicado à presidência dos EUA ameaçou com processo de difamação. Jornal norte-americano diz que acolhe "de bom grado" a oportunidade de se encontrarem em tribunal

O The New York Times informou os representantes de Donald Trump, através do seu advogado, que não irá retirar do site a notícia das acusações de assédio sexual ao candidato republicano às presidenciais dos EUA. Na passada quarta-feira, o jornal norte-americano relatou os casos narrados por Jessica Leeds e Rachel Crooks, que acusaram o político de se ter comportado de forma inapropriada.

Trump começou por negar todas as acusações - afirmando-as "total e absolutamente falsas", e atribuindo a culpa à "imprensa mentirosa". Mais tarde, o The New York Times recebeu um comunicado a exigir que a notícia fosse eliminada do seu site. Caso contrário, o empresário iria processar o jornal por difamação.

"O senhor Trump vangloriou-se destes toques sexuais não consensuais em mulheres. Vangloriou-se por invadir o camarim de concorrentes de concursos de beleza. Concordou com o pedido de um apresentador de rádio para fazer comentários sobre a sua própria filha como 'gostosa'. Diversas mulheres não mencionadas no nosso trabalho manifestaram-se publicamente sobre avanços indesejados do senhor Trump. A nossa notícia não teve o menor efeito sobre a reputação do senhor Trump, ao contrário das suas próprias palavras e ações", lê-se na carta que o advogado do jornal, David E. McCraw, enviou aos representantes de Donald Trump.

Na missiva, é ainda referido que a notícia em causa é de "interesse nacional" e que os jornalistas "trabalharam para confirmar relatos, além de terem dado aos leitores a resposta de Trump, inclusivamente o desmentido". "Se o senhor Trump discorda, se acredita que os cidadãos norte-americanos não têm direito a ouvir o que estas mulheres têm a dizer e se a lei deste país nos forçar e àqueles que ousam criticá-lo a permanecer em silêncio ou a serem punidos, acolheremos de bom grado a oportunidade de nos encontrarmos em tribunal", conclui a carta.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...