"Stranger Things" aconselha-se com "Game of Thrones"

Os produtores da série da Netflix quiseram saber como os da trama da HBO conseguem evitar "spoilers"

Divulgação de títulos de episódios que não são verdadeiros é um dos truques utilizados pelos produtores de Stranger Things para tentarem evitar que detalhes da história sejam conhecidos publicamente antes de a segunda temporada da série ir para o ar. "Os internautas são espertos demais", disse Shawn Levy em entrevista à Entertainment Weekly.

O produtor executivo admitiu que quando a história original da Netflix se estreou, em julho do ano passado, não havia qualquer "protocolos de segurança". "Nesta próxima temporada já temos. Não posso falar sobre quais, porque assim corria o risco de serem quebrados. Protegemos cada ponto da história, cada página do argumento", explicou, revelando que recorreu à equipa de A Guerra dos Tronos para pedir conselhos sobre como manter a trama em absoluto sigilo.

A produção da HBO já chegou a não ceder à comunicação social a antevisão dos episódios para crítica para que os mesmos não fossem divulgados antes de tempo, como chegou a acontecer quando toda uma temporada foi disponibilizada online dias antes da estreia.

No que toca a recursos para proteger informações e evitar spoilers, The Walking Dead, que regressa amanhã aos ecrãs a nível mundial, chega a pagar às famílias que vivem na cidade onde a ação é gravada - cerca de 400 dólares por mês, o equivalente a 360 euros, para que não divulguem detalhes do que assistem aos media.

A segunda temporada de Stranger Things terá nove episódios. A criação de drama e ficção científica da autoria dos Duffer Brothers chega ao catálogo da plataforma de streaming em outubro, mais especificamente "próximo à noite de Halloween". O primeiro vídeo alusivo a esta segunda temporada foi divulgado durante o Super Bowl, há uma semana.

Winona Ryder, Noah Schnapp, Millie Bobby Brown, Gaten Matarazzo e Finn Wolfhard protagonizam a história.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.