Spielberg diz que produções da Netflix e Amazon não deviam concorrer para os Óscares

Realizador declara que os conteúdos produzidos pelos serviços de streaming "merecem um Emmy, mas não um Óscar"

"A televisão está melhor do que nunca. Melhores guiões, melhores realizadores, melhores atores, melhores histórias". Mas, apesar da crescente qualidade dos produtos criados para o pequeno ecrã, Steven Spielberg não acredita que isso os faça merecer uma nomeação para... os Óscares. Afinal, são conteúdos criados para televisão e para esses existe um prémio próprio: os Emmy (premiação própria para profissionais e programas de televisão).

"Cada vez menos cineastas vão lutar para arrecadar dinheiro, ou para competir no festival Sundance para tentar conseguir uma distribuidora especializada para lançar os filmes nos cinemas e cada vez mais eles vão deixar serviços de streaming financiarem os filmes, talvez com uma promessa de uma breve janela de lançamento de uma semana nos cinemas para que eles se qualifiquem a prémios. Na verdade, quando se faz em um formato para a televisão, ele vira um filme para TV. Eles merecem um Emmy, mas não um Óscar", declarou em entrevista à ITV News, durante a apresentação do seu novo filme, Ready Player One: Jogador 1, que tem data de estreia prevista nas salas de cinema nacionais a 29 de março.

Só em 2017, a Netflix e a Amazon contaram com dez nomeações para os Óscares, com a Amazon a ver o filme Manchester by the Sea nomeado para seis estatuetas, entre elas Melhor Filme, Melhor Realizador (Kenneth Lonergan) e Melhor Ator Principal (Casey Affleck). Ao todo, a Amazon acabou por levar para casa três Óscares e a Netflix um.

Curiosamente, Steven Spielberg, realizador de grandes êxitos de bilheteira como Parque Jurassico, Indiana Jones, A Lista de Schindler, entre muitos outros, estreou-se no cinema com o filme Duel - Um Assassino Pelas Costas, em 1971, que foi primeiramente criado para ser um conteúdo televisivo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.