Spotify chega a acordo sobre direitos de autor e paga 112 milhões

Decorrem outros processos contra a plataforma de distribuição de música

O Spotify vai pagar 112 milhões de dólares em royalties a compositores que consideraram não terem recebido um valor justo em relação aos direitos sobre as suas músicas. Em causa está uma ação coletiva que é a combinação de dois processos e que foi iniciada por David Lowery, defensor dos direitos dos músicos da banda Camper Van Beethoven, e por Melissa Ferrick, uma compositora e proprietária de uma editora de música.

Lowery e Ferrick alegam que a plataforma de distribuição de música não obteve as licenças adequadas para usar os temas dos compositores e ainda de terem violado os direitos de autor dos artistas.

A empresa terá de pagar já 43,5 milhões de dólares em dinheiro e comprometeu-se a liquidar a partir de agora o valor restante em royalties. A juíza Alison Nathan, de um tribunal de Nova Iorque, descreveu a quantia como uma "recuperação significativa" para os artistas envolvidos nos processos.

Apesar do valor que terá de desembolsar, esta é também uma vitória para o Spotify, que queria ver o acordo, proposto em maio de 2017, aprovado.

Segundo o Guardian, o acordo seguiu em frente apesar da discordância da editora Wixen, que representa artistas como Janis Joplin, Tom Petty e a banda The Black Keys. A empresa entrou com uma ação judicial autónoma em janeiro, no valor de 1,6 milhões de dólares.

O Spotify tem ainda pendentes outros dois processos judiciais, referentes a direitos de autor, com Bob Gaudio, um membro fundador do Four Seasons, e com a editora de música country Bluewater Music Services Corporation.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.