"Sinto-me muito feliz por ter tido esta oportunidade"

Em declarações exclusivas, Lourenço Ortigão confessa estar orgulhoso por co-apresentar os Emmys

Para além de fazer parte da lista de celebridades escolhidas para apresentar as várias categorias na cerimónia de entrega dos prémios Emmy Internacionais, que se realiza em Nova Iorque no dia 23, Lourenço Ortigão já tinha recebido um outro convite por parte da International Academy of Television Arts & Science, que organiza o evento.

"No início do ano convidaram-me para ser jurado na categoria Telenovela (Mulheres, da TVI, está nomeada nesta categoria, bem como Jikulumessu, da RTP1). Mais recentemente, estenderam o convite para co-apresentar e entregar um prémio. Não estava à espera, mas foi um grande orgulho ter sido jurado numa categoria que tem prestigiado tanto a ficção em Portugal nos últimos anos", contou o protagonista da novela A Única Mulher, acrescentando: "Se já foi um orgulho enorme fazer parte de duas novelas nomeadas para Emmys (Remédio Santo e Belmonte, ambas de Queluz de Baixo), ser convidado a título individual para fazer parte desta cerimónia é um orgulho enorme e sinto-me muito feliz por ter tido esta oportunidade".

Lourenço Ortigão torna-se, assim, o primeiro português a apresentar e a ser jurado numa categoria dos reconhecidos prémios internacionais. "Ver o nome de um português numa cerimónia tão prestigiada a nível mundial deveria ser um orgulho para todos nós. Acima de tudo, acho que desmistifica um pouco o pensamento de que o nosso mercado é pequeno e que não tem expressão a nível internacional, e quem possa pensar que os atores de novelas são de alguma forma mais limitados", explicou.

O ator espera para o ano voltar a estar presente no certame, mas enquanto parte integrante de um projeto nomeado para um Emmy. "Acredito que no próximo ano estaremos novamente na luta por um Emmy com a novela A Única Mulher e espero que este ano consigamos trazer um prémio com Mulheres", finalizou.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.