Sindicato dos Jornalistas pede reunião urgente com presidente da Impresa

Decisão surge depois de ter sido anunciado que o grupo de media pretendia vender alguns dos seus títulos

O Sindicato dos Jornalistas está "preocupado com a agitação no grupo Impresa" e pediu "uma reunião urgente com o presidente do Conselho de Administração" para obter "esclarecimentos sobre a anunciada redução da exposição do grupo ao setor das revistas".

A Impresa, dona da SIC, do Expresso e da Visão, admitiu hoje vender títulos, no âmbito de um "reposicionamento estratégico" da sua atividade, que passa por uma "redução da sua exposição ao setor das revistas e um enfoque primordialmente nas componentes do audiovisual e do digital".

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, o Sindicato dos Jornalistas "lamenta que, neste quadro, o Conselho de Administração [da Impresa] não tenha em conta a situação laboral de cerca de duas centenas de trabalhadores" das várias publicações do grupo, que incluem a Visão, a Caras, a Activa, a Exame, a Exame Informática, a Telenovelas e a TV Mais, o Courrier Internacional, o Blitz e o Jornal de Letras.

O órgão liderado por Sofia Branco diz estar "solidário com todos os trabalhadores deste universo" e "à disposição para prestar toda a colaboração que considerarem necessária".

Após reuniões de elementos das direções com trabalhadores de vários títulos, o presidente executivo do grupo de comunicação social, Francisco Pedro Balsemão, enviou uma mensagem indicando que, tendo em conta o Plano Estratégico para o triénio 2017-2019, a "Impresa procederá a um reposicionamento estratégico da sua atividade".

"Nesse sentido, [a Impresa] iniciou um processo formal de avaliação do seu portfolio e respetivos títulos, que poderá implicar a alienação de ativos. A prioridade passa por continuar a melhorar a situação financeira do grupo, assegurando a sua sustentabilidade económica, e logo a sua independência editorial", concluiu na mesma nota.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.