Salvador Sobral vence Festival da Canção e vai representar Portugal

O cantor vai representar Portugal no Festival da Eurovisão da Canção, em maio, na Ucrânia

A canção "Amar pelos dois", interpretada por Salvador Sobral e composta por Luísa Sobral, venceu este domingo o Festival da Canção e vai representar Portugal no Festival da Eurovisão da Canção, em maio, na Ucrânia.

Oito canções disputaram no domingo à noite a final do Festival da Canção, num espetáculo que decorreu no Coliseu de Lisboa e foi transmitido pela RTP, a televisão pública portuguesa, que comemora 60 anos.

A canção vencedora reuniu o maior número de pontos do júri regional e foi a segunda mais votada pelo público, que escolheu "Nova Glória" (dos Viva la Diva) para o primeiro lugar.

Entre as finalistas estavam também "Gente Bestial" (Jorge Benvinda), "Don' t walk away" (Pedro Gonçalves), "Eu nunca me fui embora" (Lena d'Água), "Poema a dois" (Fernando Daniel), "Primavera" (Celina da Piedade) e "O que eu vi nos meus sonhos" (Deolinda Kinzimba).

A 51.ª edição do Festival da Canção foi apresentada pela RTP como uma "janela renovada" para compositores e intérpretes portugueses, com as canções candidatas a serem transmitidas em direto em duas noites de eliminatórias, perante um júri presidido por Júlio Isidro.

A RTP convidou músicos como Rita Redshoes, Luísa Sobral, Samuel Úria, Pedro Silva Martins, dos Deolinda, ou Nuno Gonçalves, dos The Gift, que compuseram para outras vozes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.