RTP1 dá as boas-vindas a 'Aqui Tão Longe' e diz adeus a 'Beirais'

Canal substitui o dia-a-dia numa aldeia por um retrato mais abrangente da sociedade portuguesa. Nova série chega no dia 29

Quase três anos e 640 episódios depois, Bem-vindos a Beirais despediu-se esta quarta-feira dos portugueses. O lugar será cedido a Aqui Tão Longe, série dramática que terá como pano de fundo a realidade portuguesa e os problemas do quotidiano, e cuja estreia está prevista para o próximo dia 29 de março, pelas 21.45.

A aposta reflete o novo paradigma que a direção de programas da estação pública quer implementar no canal - a transição do modelo de novelas para séries. "[Bem-Vindos a Beirais] manteve um determinado público na RTP. Os Beirais vêm numa fase em que se punha a hipótese de a RTP ser privatizada e, portanto, era uma novela que estava completamente inserida numa filosofia de programação que tinha que ver com a ideia de um canal que viria a ser privatizado. Não tem nada que ver com uma ideia de ficção mais adequada ao serviço público", explicou o atual consultor de ficção da RTP.

A trama, protagonizada por Pêpê Rapazote, Oceana Basílio e Lúcia Moniz e produzida pela SP Televisão, estreou-se em maio de 2013. Pensada para três meses pela anterior direção de programas da RTP1, chefiada por Hugo Andrade, a trama registou um sólido crescimento, de 200 mil espectadores para picos de um milhão. "Nós tínhamos uma brincadeira interna. Cada vez que conseguíamos atingir o milhão tinha de pagar um almoço. Portanto, por um lado queria que esse número chegasse e por outro nem tanto", recordou, entre risos, o anterior responsável pela pasta da programação, que considerou este projeto de ficção como "o que mais gozo" lhe deu.

As gravações terminaram no verão do ano passado, altura em que a estação pública anunciou a decisão de terminar com a série, deixando vários atores insatisfeitos. "Ninguém entende. Tudo tem o seu fim, mas não se toca num produto que está a ganhar. Desejo que a nova direção da RTP consiga o milhão de espectadores que nós conseguimos, mas duvido muito", destaca a atriz Noémia Costa.

Sobre a possível perda de público com o final de Bem-vindos a Beirais, Daniel Deusdado, atual diretor de programas da RTP1, desvaloriza, olhando para a oportunidade que o momento oferece. "A mudança tem sempre uma oportunidade e um risco. Nós temos de estar focados nas oportunidades. Há um público que vai passar de Beirais para o Aqui Tão Longe. Há um público que vai chegar e há outro que se irá perder", afirmou.

Já Ruy de Carvalho prefere destacar o bom ambiente da equipa, que funcionava quase como uma família. "Era muito agradável trabalhar naquele ambiente e foi um prazer ter participado neste espetáculo que foi Beirais. Sei que as pessoas têm saudades e que têm pena que não continue porque me vêm dizer. A série teve um êxito muito grande junto do público e das comunidades portuguesas lá fora", sublinhou.

E agora... Aqui Tão Longe

A nova aposta da RTP1 na ficção nacional, também produzida pela SP Televisão, conta com 32 episódios, divididos por duas temporadas e é escrita por Filipe Homem Fonseca. Filipa Areosa, Fátima Belo, José Mata e Miguel Damião são atores que compõem o elenco da trama, que pretende retratar a realidade portuguesa, através de problemas como a emigração e o desemprego, mas não só. Também o terrorismo, um dos principais temas da agenda mediática, não foi esquecido.

E se Portugal fosse alvo de um atentado? Aqui Tão Longe apresenta esse cenário logo no primeiro episódio. "Quando começámos a gravar aconteceram os atentados em Paris. Ficámos aflitos porque passámos a ter uma responsabilidade ainda maior de dignificarmos estas pessoas. Podia ter acontecido aqui, em qualquer lado", contou Fátima Belo, que assumiu o papel da protagonista Júlia.

A par de todo o elenco, José Mata não podia estar mais contente com a aposta da estação pública no formato série e sublinhou a importância da diversidade. "Também tem de existir outro tipo de conteúdos para o público consumir. Agora todas as pessoas veem séries e é importante haver um espaço para as pessoas poderem começar a ver as que são portuguesas."

"Uma ficção sobre Portugal" com o drama decorrente dos tempos de crise é o que a RTP1 apresenta a partir da próxima terça-feira, pelas 21.45.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.