Dados de mais de 92 milhões de utilizadores do site MyHeritage roubados

O site genealógico recomendou aos utilizadores que alterem as suas senhas, para aumentar a segurança

Os e-mails de mais de 92 milhões de utilizadores do site genealógico MyHeritage, com sede em Or Yehuda, arredores de Telavive, foram roubados, informou esta quinta-feira o jornal Calcalist de Israel.

De acordo com o jornal, o portal permite que os utilizadores criem a sua árvore genealógica através da pesquisa de documentos históricos, como censos, bancos de dados de migração, casamentos e enterros, podendo ser usados em 42 idiomas, além de oferecer um serviço de análise genética, com um banco de dados.

Em comunicado, a empresa disse que o roubo ocorreu a 26 de outubro, mas a fuga só foi descoberta na segunda-feira quando foi contactada por um investigador independente de segurança que avançou ter encontrado uma base de dados com os e-mails e as senhas de 92.283.889 pessoas.

O MyHeritage garantiu aos utilizadores que "não arquiva senhas completas, portanto, qualquer pessoa que acedeu a elas não pode entrar no seu perfil.

Contudo, a empresa recomenda que os utilizadores alterem as senhas, para uma maior segurança.

"Não há evidências de que os dados do arquivo tenham sido usados pelos perpetradores", disse a empresa aos seus clientes, que indicaram não ter detetado qualquer atividade que aponte para uma exposição das contas.

"Acreditamos que a intrusão está limitada aos endereços de e-mail, não acreditamos que algum outro sistema tenha sido envolvido. As informações do cartão de crédito não são salvas", afirmou a empresa, que afirma ter tomado medidas para que o incidente não repita.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.