Rosália Amorim é a nova diretora do Dinheiro Vivo

Jornalista de 42 anos era diretora executiva da Media Rumo

Rosália Amorim é a nova diretora do Dinheiro Vivo. A jornalista, de 42 anos, assume o cargo já a partir de terça-feira, 4 de outubro.

A informação foi divulgada esta segunda-feira em comunicado da Comissão Executiva do Global Media Group, que adianta que Rosália Amorim tem uma carreira consolidada de mais de 20 anos no jornalismo, tendo sido, ao longo do último ano e meio, diretora executiva da Media Rumo, projeto editorial angolano que conta com vários títulos, dos quais se destacam a revista mensal Rumo e o semanário Mercado, ambos especializados na área económica.

Antes, fora editora da revista Exame, acumulando funções com as de coordenadora do caderno de economia do jornal Expresso e com os comentários semanais de Economia na SIC Notícias.

Rosália Amorim foi ainda coordenadora da revista Única, do Expresso, e da revista Intelligent Life/The Economist, na versão portuguesa. Licenciada em Relações Internacionais pela Universidade Lusíada de Lisboa e com formação na área da economia e do jornalismo, é ainda autora do livro O Homem Certo para Gerir uma Empresa é uma Mulher, coautora d'O Livro do Bem Estar com Rosa Lobato de Faria e autora do blogue Executivos sem Gravata. Rosália Amorim iniciou a carreira jornalística em 1994, na Rádio Comercial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.