Que perguntas vai o Congresso dos EUA fazer a Zuckerberg?

Fundador do Facebook continua a responder pelo escândalo do uso de dados dos utilizadores da rede social

Marc Zuckerberg, o fundador e CEO do Facebook, continua a responder às várias questões em torno do mais recente escândalo que envolve a rede social que criou: a utilização, por parte da Cambridge Analytica, dos dados privados de cerca de 87 milhões de pessoas.

Zuckerberg, que será ouvido esta terça-feira pelos comités para o Comércio, Ciência, Transporte e Judiciário do Senado, e amanhã, quarta-feira, pelo Comité para a Energia e Comércio da Câmara dos Representantes, dirá aos congressistas que "o Facebook é uma companhia idealista e otimista". "Durante a maior pare da nossa existência, estivemos focados em todo o bem que conectar as pessoas pode trazer". Vai, também, assumir responsabilidades: "Não olhámos de forma alargada para a nossa responsabilidade, e isso foi um grande erro. Foi um erro meu, e peço desculpa. Comecei o Facebook, lidero-o, e sou responsável pelo que acontece".

Estas declarações, que deverão constar do discurso do fundador do Facebook, foram divulgadas em antecipação à audiência pelo Comité para a Energia e Comércio da Câmara dos representantes.

Depois de falar com vários especialistas, a Vox compilou várias perguntas que devem ser colocadas a Mark Zuckerberg pelos congressistas norte-americanos.

Assim, o Congresso quererá saber quem são os "atores maliciosos", referidos pelo Facebook, para os quais a gigante norte-americana planeia novas medidas de maneira a evitar ações de abuso. Nunca foi revelado quem seriam. Será que vão existir mais escândalos relativamente a dados e privacidade? Estar será outra das questões que os congressistas quererão ver respondidas, até porque já foi dito que mais de 2 mil milhões de utilizadores poderão estar vulneráveis.

Zuckerberg será também confrontado com o facto de ter dito que o Facebook está aberto a regulação mas, por outro lado, opor-se repetidamente a leis de privacidade, refere um dos especialistas ouvidos.

Os congressistas deverão também querer saber se Zuckerberg acha que é a pessoa ideal para liderar o Facebook e, também, se ele acha que o modelo de negócio da rede social deve mudar.

A Vox enumera ainda que, na audiência do fundador do Facebook, de 34 anos, deverá ser perguntado, não só quem é "dono" dos dados dos utilizadores da rede social, como também porque se deve acreditar que as coisas irão mudar.

Ainda entre as perguntas deverá estar o facto de Zuckerberg ter dito - no âmbito das novas leis europeias para regulação do Facebook - que novas linhas de orientação não serão aplicadas da mesma maneira em todo o lado. Há ainda o acordo com a Comissão Federal de Comércio, de 2011, que o Facebook poderá ter violado, caso se confirme que enganou consumidores relativamente à privacidade dos mesmos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.