Andreia passa à fase final do The Voice belga... sempre a cantar em português

Andreia Rio é enfermeira e emigrante em Anderlecht. Passou todas as fases a cantar em português

O The Voice da Bélgica tem uma finalista portuguesa. Andreia Rio, 30 anos, enfermeira e emigrante em Anderlecht surpreendeu o júri do concurso de talentos quando nas provas cegas cantou o fado da Mariza, "Ó Gente da Minha Terra". Conquistou aos primeiros segundos da música o cantor francês Slimane e ficou na sua equipa.

Natural de Santo Tirso, a portuguesa decidiu depois cantar em todas as provas em português. O que deixou o seu mentor algo apreensivo. Mas na gala de escolha dos cantores que passam à fase final do programa acabou por se render à opção de Andreia Rio. "Este programa chama-se The Voice [A Voz, em português] e ela é The Voice", referiu Slimane.

Andreia Rio foi inscrita no programa pelo marido. Desde a primeira prestação que o seu "fado português" tem encantado a imprensa belga.

A última música que Andreia cantou no concurso foi uma versão em português de "Say Something" da banda Great Big World com Christina Aguilera. A sua prestação no programa não está disponível para ver em Portugal, mas no YouTube existe uma versão da música feita pela cantora portuguesa.

Andreia já tinha participado em programas de talento em Portugal. Foi a vencedora, em 2009, da Grande Noite do fade. Também nesse ano, participou e chegou à final de Nasci Pra Cantar, exibido pela TVI, onde também já tinha sido elogiada.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.