WhatsApp altera de 13 para 16 anos a idade mínima de utilizadores

A plataforma WhatsApp, propriedade da rede social Facebook, confirmou hoje que passa de 13 para 16 anos a idade mínima para os utilizadores poderem fazer o registo na Europa.

Uma nova versão da aplicação estará pronta em maio, desenvolvida pela WhatsApp Ireland Ltd, uma nova entidade criada para operar a partir de Dublin, onde o Facebook também tem a sede das operações europeias.

"No mês que vem, a União Europeia (UE) atualizará as leis de privacidade para conferir uma maior transparência sobre o uso da informação das pessoas. Temos atualizado as nossas Condições de Serviço e Política de Privacidade, em conformidade com o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), que entrará em vigor", explicou a plataforma WhatsApp.

A partir do próximo mês, cada vez que um utilizador tentar instalar o aplicativo deverá confirmar que tem, pelo menos, 16 anos, se bem que a companhia não tenha dado mais detalhes sobre como prevê verificar a informação

"Com esta atualização, não estamos a solicitar novas autorizações para compilar informação pessoal. O nosso objetivo é simplesmente explicar como usamos e protegemos os dados sobre a pessoa", assinalou WhatsApp.

A plataforma WhatsApp tem mais de 1.500 milhões de utilizadores, segundo dados do passado mês de janeiro.

A empresa, criada em 2009, reiterou que não está a "partilhar as informações de conta para melhorar a experiência com o produto" ou "publicidade no Facebook", uma das principais preocupações dos legisladores comunitários.

O anúncio de WhatsApp sucede semanas depois do escândalo da filtração de dados de Facebook à Cambridge Analytica, para influir supostamente em cenários como as últimas eleições nos Estados Unidos ou o referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia

Para cumprir com as normas do RGPD, o Facebook está também a introduzir mudanças na sua política de segurança e privacidade, pelo que os menores de idades compreendidas entre 13 e 15 anos poderão continuar a utilizar a rede social sem apresentar autorização dos progenitores ou de um adulto designado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.