WhatsApp altera de 13 para 16 anos a idade mínima de utilizadores

A plataforma WhatsApp, propriedade da rede social Facebook, confirmou hoje que passa de 13 para 16 anos a idade mínima para os utilizadores poderem fazer o registo na Europa.

Uma nova versão da aplicação estará pronta em maio, desenvolvida pela WhatsApp Ireland Ltd, uma nova entidade criada para operar a partir de Dublin, onde o Facebook também tem a sede das operações europeias.

"No mês que vem, a União Europeia (UE) atualizará as leis de privacidade para conferir uma maior transparência sobre o uso da informação das pessoas. Temos atualizado as nossas Condições de Serviço e Política de Privacidade, em conformidade com o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD), que entrará em vigor", explicou a plataforma WhatsApp.

A partir do próximo mês, cada vez que um utilizador tentar instalar o aplicativo deverá confirmar que tem, pelo menos, 16 anos, se bem que a companhia não tenha dado mais detalhes sobre como prevê verificar a informação

"Com esta atualização, não estamos a solicitar novas autorizações para compilar informação pessoal. O nosso objetivo é simplesmente explicar como usamos e protegemos os dados sobre a pessoa", assinalou WhatsApp.

A plataforma WhatsApp tem mais de 1.500 milhões de utilizadores, segundo dados do passado mês de janeiro.

A empresa, criada em 2009, reiterou que não está a "partilhar as informações de conta para melhorar a experiência com o produto" ou "publicidade no Facebook", uma das principais preocupações dos legisladores comunitários.

O anúncio de WhatsApp sucede semanas depois do escândalo da filtração de dados de Facebook à Cambridge Analytica, para influir supostamente em cenários como as últimas eleições nos Estados Unidos ou o referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia

Para cumprir com as normas do RGPD, o Facebook está também a introduzir mudanças na sua política de segurança e privacidade, pelo que os menores de idades compreendidas entre 13 e 15 anos poderão continuar a utilizar a rede social sem apresentar autorização dos progenitores ou de um adulto designado.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.