Passadeira Vermelha. Uma espécie de parlamento do mundo da fama

Antes de irem para estúdio, onde as notícias das estrelas são analisadas à lupa, apresentadora e comentadores fazem o seu trabalho de casa. Já no ar discutem, exaltam-se, mas no final são todos amigos. Como os políticos

A Passadeira Vermelha estende-se a partir das 22.30, mas os preparativos do programa da SIC Caras começam muito antes. Quatro horas, sensivelmente. É por volta das 18.30 que Liliana Campos, a apresentadora deste formato que debate as novidades do mundo dos famosos, chega aos estúdios do Parque Holanda, em Carnaxide. É a primeira. "Para ser maquilhada, penteada e escolher a roupa que vou usar", conta ao DN.

É nestes momentos que Liliana Campos aproveita para rever o alinhamento do programa, que é enviado durante a tarde. É preciso "estudar" e "fazer pesquisa" para dominar os assuntos que estão a marcar a atualidade do universo das estrelas e saber tudo na ponta da língua. Isto porque o direto não perdoa e qualquer falha é percetível para o espectador.

E mais. Ao fazer antecipadamente o trabalho de casa, tanto Liliana Campos como os restantes comentadores de serviço agilizam a reunião de alinhamento que é feita durante o jantar. É tudo "muito a correr", explica, mas nada de estranho, não fosse essa uma das principais essências do universo televisivo. E não fosse também o facto de todos eles já terem uma grande tarimba na área em questão.

Fazendo uma reconstituição, voltamos à altura em que a apresentadora está sentada na sala de maquilhagem. Inseparável do seu tablet, onde vai lendo e relendo os temas que vão ser alvo de análise em mais uma edição deste programa produzido pela FremantleMedia.

O relógio marca 19.30, hora em que grande parte da população já regressou ou está a regressar a casa dos seus empregos. Cláudio Ramos, um dos comentadores deste formato, faz o percurso inverso e começa a trabalhar a esta hora. Ou, melhor dizendo, recomeça, uma vez que o cronista social também é responsável pela rubrica "Jornal Rosa", exibido no programa Queridas Manhãs, apresentado por Júlia Pinheiro e João Paulo Rodrigues, na SIC.

Cláudio Ramos tem uma estratégia diferente dos restantes colegas. "Não há um trabalho de casa exaustivo, até porque estou constantemente a par das notícias por causa do "Jornal Rosa". Aliás, até pedi à produção para não me enviarem os alinhamentos para casa nem as notícias, porque eu prefiro ser apanhado de surpresa. Gosto do imprevisto", justifica.

A Joana Latino basta atravessar a estrada e passar da redação da estação de Carnaxide para os estúdios do Parque Holanda. Os caracóis ruivos da jornalista são domados por um ferro de alisar, enquanto passa os dedos e os olhos pelo e-mail. "Deixa-me só ler a última notícia", pede, antes de começarmos a conversar. "Chuta", prossegue, no seu tom de descontração característico. Por viver "completamente a leste" do mundo das estrelas, Joana Latino joga pelo seguro e prefere saber os temas que vão ser debatidos na Passadeira Vermelha. Já são 20.00 e, como não podia deixar de ser, ouve-se o som do genérico do Jornal da Noite, o noticiário da casa, na televisão que se encontra na sala de maquilhagem. O tempo urge e a jornalista segue a passo acelerado com o seu trolley para a sala onde vai trocar de roupa. De uns calções de ganga e uma T-shirt para um vestido branco às bolinhas. Qual cinderela, ou pin up.

Nos corredores quase desertos do Parque Holanda - uma vez que os programas de day time já foram todos gravados - o silêncio é quebrado por Maria Botelho Moniz, que canta antes de seguir para a maquilhagem. Do feedback que tem recebido pela sua participação no programa, a comentadora diz receber "muitas mensagens de miúdos" que a seguiam na altura em que apresentava o Curto Circuito e que "acham muito graça" ao facto de agora Maria Botelho Moniz "fingir" que é "adulta".E, num estalar de dedos, já se encontram todos em estúdio, à espera do sinal para o arranque de mais uma Passadeira Vermelha onde, certamente, os ânimos vão exaltar-se. Porque exaltam-se sempre. E porque é precisamente esse o propósito do programa: discutir e debater opiniões. Mas há sempre tempo para uma selfie.

E desenganem-se aqueles que julgam que no meio das vozes mais alteradas se escondem zangas ou mágoas. "Isto é como os deputados no Parlamento. Enervam-se na discussão política, mas depois saem e vão almoçar juntos e são super amigos, apesar de serem de partidos diferentes", esclarece Joana Latino.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.