Os casos que marcaram 60 anos de Festival da Eurovisão

Portugal participou pela primeira vez em 1964, em Viena, e regressou com zero pontos devido à ditadura de Salazar

A primeira participação portuguesa, no festival Eurovisão da Canção, data de 1964, ano em que o regime de ditadura de Oliveira Salazar daria origem a um dos acontecimentos dessa edição, o protesto em palco que a RTP não mostrou.

Na altura, o eurofestival somava oito edições e a história é recordada à agência Lusa, pelo investigador Jorge Mangorrinha, a propósito da passagem dos 60 anos do festival da União Europeia de Radiodifusão, que hoje se assinala - o primeiro eurofestival realizou-se a 24 de maio de 1956, em Lugano, Suíça, país que venceria o concurso.

Portugal participou pela primeira vez em 1964, em Viena. "Nunca um artista português tinha cantado para um público tão vasto (150 milhões de pessoas)", conta Jorge Mangorrinha, "daí que talvez houvesse uma preocupação acrescida" das autoridades, em plena ditadura.

"A imagem externa fragilizada do regime político português fez com que [António] Calvário estivesse sempre acompanhado por um elemento do consulado, que o prevenia constantemente para ter controlo nas declarações", recorda.

"O cantor regressou sem poder falar do incidente e com zero pontos na bagagem, apesar de a sua interpretação" ter sido "considerada uma das melhores". "Portanto, o que mais marcaria este festival, à parte as canções, teria a ver com Portugal, ou seja, um protesto político depois da atuação da intérprete suíça: um homem entrou em palco e exibiu um cartaz com 'Boycott Franco & Salazar' ['Boicotem Franco e Salazar']".

"Na gravação áudio disponível ouve-se o alarido", assegura Mangorrinha. "Enquanto isto decorria, os espectadores passaram a ver um quadro de votações, até o intruso ser retirado. A competição continuou sem mais sobressaltos".

Onze anos mais tarde, em 1975, a canção "Madrugada", de José Luís Tinoco, que Duarte Mendes e o maestro Pedro Osório levaram a Estocolmo, evocou a madrugada de 25 de Abril de 1974: "Da força nascida no medo/ a raiva à solta manhã cedo (...) rompe a canção que não havia".

Duarte Mendes, que foi um dos capitães de Abril, atuou com um cravo vermelho na lapela, tendo causado perplexidade, sobretudo junto da imprensa internacional, segundo o autor da canção, quando, num dos ensaios, cantou a versão inglesa, tornando evidente a relação com a queda do regime.

Em 1970, Portugal não participou na Eurovisão, num protesto "quanto ao método de votação que deu os últimos lugares a Simone de Oliveira em 1969 [com 'Desfolhada'], em vez da esperada vitória", segundo Mangorrinha.

A RTP, porém, organizou um concurso para consumo interno, sem "repercussão eurovisiva", depois do eurofestival.

"Houve um grande investimento, mobilizando todos os recursos técnicos, contratando artistas estrangeiros, fazendo parceria com a TVE para a transmissão para Espanha, programando o espetáculo até às duas horas da madrugada e assegurando um ambiente mundano", recorda o investigador, que vê aqui "a prova do desfasamento da RTP com os objetivos eurovisivos".

Mangorrinha vê como "correto repudiar o que se passou em 1969 e não ir à Eurovisão no ano seguinte", mas interroga-se: "Fazer este investimento sem repercussão internacional, porquê? Porque é que [a RTP] não manteve o investimento nos anos seguintes?"

Em 1969, no final da votação, houve um empate de quatro países, que acabaram por ser declarados vencedores - Espanha, França, Reino Unido e Holanda - o que levou vários participantes a contestar o sistema de votação. A Áustria já não tinha participado nesta edição, num protesto ao ditador Francisco Franco.

Em 1968, o caudilho de Madrid determinara, aliás, a não participação do cantor Joan Manuel Serrat no eurofestival, escolhido para a representação, por ele pretender cantar a felicidade de "Lalala", em catalão, nas televisões europeias.

A canção foi entregue então a Massiel, que venceu o concurso, sucedendo à britânica Sandie Shaw, intérprete de "Puppet on a string", que, em 1967, se apresentara em palco descalça e com um mini-vestido.

Passados 30 anos, em 1998, a vitória de Dana, cantora transexual de Israel, concentrou igualmente a atenção mediática, à semelhança de Conchita Wurts, alter ego do austríaco Thomas Neuwirth, que venceu o concurso Eurovisão, em 2014.

Num certame que, desde o início, se quis alheio a questões de rutura política ou social, a Ucrânia voltou a colocá-las na mesa, na 61.ª edição, no passado dia 15, com a vitória de "1944", que evoca a deportação dos Tártaros da Crimeia, pelo ditador russo Josef Estaline, dois anos depois de a Rússia ter anexado a região.

"Queria cantar uma canção sobre paz e amor", disse a cantora Jamala, ao receber o prémio.

Várias personalidades russas apelaram de imediato ao boicote do festival da Eurovisão em 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...