Obama "apanhado" no Snapchat pela filha Sasha

A filha mais nova de Obama gravou no Snapchat uma "lição" do pai sobre as implicações das redes sociais

O presidente dos Estados Unidos foi ridicularizado pela filha no Snapchat, contou o próprio no programa de Jimmy Kimmel, Jimmy Kimmel Live, na segunda-feira.

Em conversa com Kimmel, Obama revelou que queria saber mais sobre o Snapchat e pediu à filha mais nova, Sasha, que lhe ensinasse como é que funcionava esta rede social.

"Eu já tinha lido que o Snapchat se estava a tornar muito popular entre os jovens da idade dela e então uma noite, durante o jantar, pedi-lhe: fala-me sobre o Snapchat", contou o presidente. Sasha explicou ao pai como funciona a rede social, que permite enviar fotografias e vídeos, colocando até diferentes filtros nas imagens, e que desaparecem ao fim de 24 horas.

Depois das explicações da filha, Obama começou a falar com a mulher Michelle sobre as implicações das redes sociais, só se apercebendo mais tarde de que a filha mais nova gravava tudo. "Ela tirou uma foto de si mesma com uma cara de aborrecida e enviou para os amigos com a mensagem: 'Este é o meu pai dando-nos lições sobre o significado das redes sociais'", explicou o presidente.

Barack Obama contou que tanto a mulher Michelle como a filha mais velha Malia adoraram a fotografia de Sasha e a partilharam com todos os seus amigos.

Kimmel aproveitou ainda a presença de Obama para o brindar com a rubrica Mean Tweets ('tweets maldosos', numa tradução literal), em que os convidados leem comentários menos simpáticos sobre eles mesmos escritos no Twitter.

Um desses comentários era do candidato à Casa Branca Donald Trump, que dizia que Obama "era provavelmente o pior presidente na história dos Estados Unidos", e ao qual Obama respondeu: "ao menos cheguei a ser presidente."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".