O recorde da Guerra dos Tronos e outros momentos que marcaram os Emmy

"A Guerra dos Tronos" e "Veep" foram os grandes vencedores, mas houve outros momentos emocionais e surpreendentes

A 68.ª edição dos Emmy, os prémios de televisão mais conhecidos dos Estados Unidos, distinguiu a série "A Guerra dos Tronos" como melhor série dramática e "Veep" como melhor série cómica. A noite ficou marcada pela diversidade que muito críticos salientaram em comparação com os Óscares, por recordes e momentos emocionais.

O recorde de "A Guerra dos Tronos"

O drama da HBO A Guerra dos Tronos tornou-se ontem à noite o programa mais galardoado da história destes prémios, batendo a sitcom Frasier. Os 12 prémios juntaram-se aos 26 das outras edições, este ano com especial destaque para o episódio "The Battle of the Bastards".

O quinto Emmy de Julia Louis-Dreyfus

A atriz Julia Louis-Dreyfus ganhou o seu quinto Emmy consecutivo como melhor atriz na categoria de comédia, por Veep, e no pontuou um discurso com um momento emocional: dedicou o prémio ao pai, que morreu na passada sexta-feira. "Fico muito contente por ele gostar de Veep, porque a opinião dele era a que realmente importava. Obrigada".

A surpresa de Rami Malek

O prémio para o protagonista de Mr Robot, Rami Malek, foi uma das surpresas da noite. O ator de 35 anos foi escolhido numa categoria em que também estavam nomeados Kevin Spacey (House of Cards) ou Matthew Rhys (The Americans). O jornal The New York Times chama-lhe a face do "hacktivismo" já que Malek interpreta um engenheiro especialista em cibersegurança e hacker que é recrutado por um anarquista.

O discurso dos argumentistas de "Master of None"

Alan Yang e o comediante Aziz Ansari ganharam o Emmy pelo guião do episódio "Parents", para série Master of None, mas o ator que protagoniza a série nem teve oportunidade de falar - antes, Alan Yang aproveitou o discurso para lembrar que há 17 milhões de americanos de origem asiática, tantos como de origem italiana, mas que estes estão longe de deixar a sua marca e ter a mesma visibilidade no cinema e televisão. "Eles têm o Padrinho, Goodfellas, Rocky, Os Sopranos. Nós temos Long Duck Dong", disse, numa referência a uma personagem do filme Sixteen Candles.

No episódio "Parents" o protagonista, interpretado por Aziz Ansari e um amigo aprendem a apreciar o esforço que os pais, imigrantes, fizeram para que eles pudessem crescer nos Estados Unidos.

John Oliver sucede a Jon Stewart

O programa Last Week Tonight with John Oliver ganhou e Emmy de "Outstanding Variety Talk Series", um prémio que de 2003 a 2012 foi para casa com Jon Stewart, pelo The Daily Show. E Oliver até agradeceu ao antigo mentor por lhe dar a oportunidade de ganhar o prémio, ao retirar-se da televisão.

Veja a lista completa de vencedores aqui

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.