O humor da Senhora Dona, do homem de 40 anos, do vox pop (e outros)

Pouco depois das 08.00 é momento para a rádio descontrair. Cinco humoristas rompem a antena com minutos de boa disposição

São cinco, um para cada dia (útil) da semana. Eduardo Madeira, Mariana Cabral (a Bumba na Fofinha), Jel, Francisco Menezes e Ana Bola, de segunda a sexta, respetivamente. Uma mão-cheia de humoristas a quebrar a rotina dos dias da rádio, depois das oito da manhã.

Jel (Nuno Duarte) grava hoje a crónica que se vai escutar amanhã. Já a escreveu e riu-se sozinho. Na quarta-feira espera chegar a "muita gente". O homem da luta regressa à comédia depois de quatro anos noutras lides: "Vai ser o humor de um homem de 40 anos, a minha análise surreal, absurda, trágico-cómica da realidade, que às vezes nem é preciso fazer muita coisa. A realidade ajuda muito os humoristas. Sim, quando a prisão da Carregueira é uma antecâmara do poder, isto está bom é para os comediantes", diz ao DN.

Se Jel vai andar a "surfar a atualidade", já Ana Bola resolveu criar a peculiar Senhora Dona: "Vou fazer uma personagem que será muito parecida comigo no tom de voz, mas é uma senhora muito conservadora - e nisso não é nada parecida comigo -, a quem tudo faz espécie, que não se entende neste mundo, que não se entende em Portugal, com os turistas, nas padarias que têm pão com sementes, que no fundo não tem saudades de um Salazar mas com um Marcelo Caetano a coisa já lhe correria menos mal. Não quero de maneira nenhuma que isto seja uma coisa levada a sério, mas estas estas pessoas existem, estão todas na Mexicana com os penteados dos anos 70. Portanto vou fazer uma senhora dessas, a Senhora Dona", diz.

Quem ontem estreou a rubrica em antena foi Eduardo Madeira, com a Flash Interview. O humorista que vai "apanhar os intervenientes dos grandes acontecimentos à saída dos grandes acontecimentos e ouvir a sua opinião", estreou-se com um vox populi das eleições. É o regresso à TSF na versão one man show: "Já estive na TSF como autor, escrevia para o António Feio e o José Pedro Gomes, para os Cromos TSF, agora vou fazer a dupla função, autor e intérprete. O desafio é muito giro. A segunda-feira é um dia que eu gosto, acorda tudo maldisposto e eu vou tentar aligeirar o facto de estarmos no início da semana".

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.