O humor da Senhora Dona, do homem de 40 anos, do vox pop (e outros)

Pouco depois das 08.00 é momento para a rádio descontrair. Cinco humoristas rompem a antena com minutos de boa disposição

São cinco, um para cada dia (útil) da semana. Eduardo Madeira, Mariana Cabral (a Bumba na Fofinha), Jel, Francisco Menezes e Ana Bola, de segunda a sexta, respetivamente. Uma mão-cheia de humoristas a quebrar a rotina dos dias da rádio, depois das oito da manhã.

Jel (Nuno Duarte) grava hoje a crónica que se vai escutar amanhã. Já a escreveu e riu-se sozinho. Na quarta-feira espera chegar a "muita gente". O homem da luta regressa à comédia depois de quatro anos noutras lides: "Vai ser o humor de um homem de 40 anos, a minha análise surreal, absurda, trágico-cómica da realidade, que às vezes nem é preciso fazer muita coisa. A realidade ajuda muito os humoristas. Sim, quando a prisão da Carregueira é uma antecâmara do poder, isto está bom é para os comediantes", diz ao DN.

Se Jel vai andar a "surfar a atualidade", já Ana Bola resolveu criar a peculiar Senhora Dona: "Vou fazer uma personagem que será muito parecida comigo no tom de voz, mas é uma senhora muito conservadora - e nisso não é nada parecida comigo -, a quem tudo faz espécie, que não se entende neste mundo, que não se entende em Portugal, com os turistas, nas padarias que têm pão com sementes, que no fundo não tem saudades de um Salazar mas com um Marcelo Caetano a coisa já lhe correria menos mal. Não quero de maneira nenhuma que isto seja uma coisa levada a sério, mas estas estas pessoas existem, estão todas na Mexicana com os penteados dos anos 70. Portanto vou fazer uma senhora dessas, a Senhora Dona", diz.

Quem ontem estreou a rubrica em antena foi Eduardo Madeira, com a Flash Interview. O humorista que vai "apanhar os intervenientes dos grandes acontecimentos à saída dos grandes acontecimentos e ouvir a sua opinião", estreou-se com um vox populi das eleições. É o regresso à TSF na versão one man show: "Já estive na TSF como autor, escrevia para o António Feio e o José Pedro Gomes, para os Cromos TSF, agora vou fazer a dupla função, autor e intérprete. O desafio é muito giro. A segunda-feira é um dia que eu gosto, acorda tudo maldisposto e eu vou tentar aligeirar o facto de estarmos no início da semana".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.